31 de março de 2009

Futuro dono procura um futuro cachorro



Só para falar aqui: eu já tive um cachorro, mas ele era pentelho. Ele já existia antes de minha irmã e eu, então quando nascemos ele parou de ser o chodó da minha mãe.
Resultado: eles nos odiava e nós (eu e minha irmã) odiávamos ele. O final dele é simples: de tão velho (17 anos) ele foi sacrificado. Eu, como era pequeno e não sabia o que fazia, tentava matar o cachorro para conseguir um novo e que gostasse de mim (como aparece nos filmes. "Por que apenas o meu cachorro é o capeta?", pensava). Então eu, com cinco anos de idade, pegava a bicicleta da minha irmã e tentava atropelar o maldito cachorro pelo apartamento. Graças a Deus que agora mudei, com quinze anos de idade. Agora procuro um cachorro.
Meus amigos falaram para eu não comprar, mas sabe quando você quer algo na sua vida para poder brincar, mimar e cuidar (sem ser um bebê) e principalmente brincar? Então, eu quero um cachorro para fazer tudo isso.
Claro que não posso comprar um cachorro agora, mas se tudo der certo, talvez meus tios façam uma vaquinha e eu ganhe um de aniversário (espero), momento que minha vida econòmica estará bem melhor. Claro também que esse cachorro não pode ser um Golden ou qualquer cachorro grande, afinal eu vivo num apartamento. Então decide ter o mesmo cachorro da minha tia (foto ao lado): um Bulldog Francês.
Algumas pessoas acham esse cachorro feio, outras pessoas acham esse cachorro bonito. Já eu particularmente vejo as caras dos cachorros. Tem cachorros, de todas as raças, que são feios ou bonitos. Por isso decide ter um cachorro branco manchado, porque acho bem mais bonito e claro, fêmea.
Muitas pessoas pensarão: Por que fêmea? Simples, tente me entender: cachorro estão pelados (novidade, avisem a Hebe), etnão quando eu colocar um cachorro no meu colo não quero que seu membro encoste em mim, principalmente se "armar a cabana". Prefiro muito mais uma fêmea, que é, vamos dizer assim, normal.
E você? Tem cachorro? Defende minha opinião? Acha que sou rídiculo? Comente

30 de março de 2009

Livro II- Cap 8

Capítulo 8- A chegada e a desgraça

- O que aparece nessa visão?- perguntei.

-Veja você mesmo- disse Carmen.

Carmen pegou minha mão com uma força que eu nunca tinha visto antes nela e fez encostá-la na mancha com o olho. Logo eu entrei na visão dela.

            Tudo estava escuro, com algumas coisas pontudas. Mas não conseguia ver nada direito. Tudo estava embasado, como se eu tivesse miopia ou algum problema de visão.

            -Estou esperando chegar a parte para você ouvir- disse Carmen.

            Levei um susto. De repente Carmen aparece do meu lado, no meio da escuridão.

            -Onde estamos?- perguntei.

            -Não sei- respondeu Carmen, como se fosse algo que ela estava pensando por muito e muito tempo- agora você pode ouvir.

            De repente comecei a ouvir gritos e choros por todos os lados e finalmente vi duas pessoas no chão, ou algo parecido. Mas não conseguíamos ver a cara dessas pessoas, mas conseguia ouvir a voz da jovem.

            -Para!- gritava Packet- Para! Não agüento mais! Pare por favor! Eu te peço!

            - O que está acontecendo?- perguntei para Carmen. Entrei em pânico total- Não consigo ver nada.

            -Claro que não consegue. Isso é uma visão. Visões podem mudar a qualquer momento, fazendo delas possibilidades na nossa vida. Se isso realmente fosse acontecer poderíamos ver claramente. Isto é o que ocorrerá se nada for feito- respondeu Carmen- mas tenho certeza que você consegue adivinhar. Os dois estão com uma cor de pele borrada, estão se movimentando o tempo todo.

            - Quer dizer- perguntei pausadamente- que ele está...

            -Sim- interrompeu Carmen- ele está estuprando Packet.

            - Mas quem é?- perguntei para mim mesmo em voz alta- cheguei perto de Packet para salvá-la. Pela minha surpresa eu voltei para a biblioteca. Já estava de noite. Através  das largas janelas da biblioteca eu consegui ver: a lua estava amarela.

            - Isso mostra que está próximo- afirmou Carmen- o que você acabou de ver.

            -Como você sabe de tudo isso?- perguntei.

            -Olhe ao seu redor- Carmen girou - estamos numa biblioteca. Teorias e teorias estão espalhadas por esses maravilhosos livros.

            E foi quando eu percebi uma pilha enorme de livros velhos em cima de uma mesa de madeira. Deveria ser a quantidade de livros que Carmen lia enquanto eu estava dormindo.

            - A visão pode muito bem ser alterada- disse Carmen- a única coisa que você tem que fazer é proteger Packet a qualquer custo.

            - Não se preocupe- afirmei. Essa talvez tenha sido a maior promessa que eu fiz em toda a minha vida.

            - Como assim não se preocupe?- gritou Carmen- estamos numa casa, com um fantasma, tenho uma visão e uma marca para o resto da minha vida e agora você me diz para não se preocupar? Desculpe-me, mas isso não vai acontecer.

            -Não deixarei que nada aconteça com Packet, nem mesmo que isso tenha que valer minha vida.

            -Você e esse papo de morrer com honra- disse Carmen, ouvindo o mesmo discurso de sempre- pare de pensar que vamos morrer. Ninguém morre se o plano for seguido.

            -Então- disse pausadamente- isso significa que temos...

            -Sim- interrompeu Carmen- temos que contar a verdade para todos. E não pode passar de hoje.

            -Tudo bem. Não passa de hoje.

            De repente Packet abre a porta da biblioteca, gritando de felicidade.

            - Um carro acabou de entrar pelos portões. Vamos para a porta.

            Corremos para a porta. Todos estavam lá, esperando pela campainha tocar para finalmente abrirmos a porta, já que bloqueamos a porta para não abrir automaticamente. Ouvimos o carro estacionando e não conseguíamos ver quem estava chegando, já que tudo estava escuro. Mas ouvimos a campainha tocar. Liberamos a porta e a mesma abriu.

            Ele estava de cabeça abaixada, usando um largo agasalho preto, uma camisa branca, um jeans azul e um all-star preto. Duas malas marrons estavam do seu lado. Ele estava de cabeça abaixada, com um grande óculos-escuro quadrado. Ele levantou a cabeça e tirou os óculos.

            Todos ficaram de boca aperta e chocados completamente. O surgimento dessa pessoa depois de muito tempo e o pensamento de nunca mais poder vê-la sumiram no mesmo instante, causando felicidade e choque. A luz iluminou sua face.

            - Não vão me convidar para entrar?- perguntou Gabriel.

            Nesse exato momento Carmen desmaiou.     

29 de março de 2009

RRRrrrr!!! Na Idade da Pedra- O pior filme de comédia da minha vida




        Hoje em dia as pessoas reclamam de filmes como "Todo mundo em Pâncio", "Espartalhões", entre outros. Mas acreditem ou não, este filme francês consegue ser o pior de todas as comédias pastelão.
        Uma das figuras que eu mais gosto e que não faz parte de Hollywoddy é Gérard Depardieu. O cara fez filmes como "1492: a conquista do paraíso", "Asterix e Obelix", "Homem da Máscara de Ferro" e erra feio nesse filme.
        A história é simples: estamos na Pré- História e existem duas tribos: a tribo do cabelo ruim e a tribo do cabelo bom (que possui o xampu). As tribos se confrontam por causa do xampu. Nisso, uma das meninas da tribo de cabelo ruim vai como espiã para a tribo de cabelo bom para conseguir o xampu. Enquanto isso, na tribo do cabelo bom, estão acontecendo vários assassinatos e ninguém sabe quem é.
        O filme era para ser uma comédia, mas realmente a única parte que você consegue ri é o começo, que é a única parte inteligente. Todos os bichos têm dentes-de sabre, todas as pessoas se chamam Pedro (homem) e Pedra (mulher), as atuações são horríveis, as piadas são extremamente forçadas, os efeitos especiais são ruins, tudo é horrível. 
        Não consigo nem descrever como esse filme é ruim. Muitas pessoas falam que é inteligente e muito engraçado. Ao assistir não achei nada de engraçado e nada de inteligente. 

27 de março de 2009

MIKA- Live In Cartoon Motion- Um show de um homem, mas voz de mulher?


Vamos começar confessando uma coisa: na primeira vez que eu ouvi eu não gostei de MIKA. MIKA é um cara (sim, é um cara), que teve sua origem em Londres e canta músicas pop, principalmente. Pois bem, vim aqui falar do DVD de seu show.
Um dia, minha prima, no sítio dela, colocou o DVD e colocou músicas que eu não gostei e logo de cara eu e meus primos fomos jogar bola. Nos últimos dias, eu tive que fazer backup no computador da minha irmã. Que músicas que tinha lá? MIKA. Então comecei a ouvir. E não é que me enganei?
Para as pessoas que depois de lerem esse post quiserem baixar as músicas desse artista, que já foi comparado com Madonna, Michael Jackson, entre outros, dou a seguinte dica: Comece por "Love Today" e "Big Girl", depois vá para "Billy Brown" e "Ring-Ring" e depois "Lollipop" e "Grace Kelly" (quando coloquei os fones de ouvido no meu amigo pela primeira vez quando tocou a música ele quase teve um treco pelo cara falar Grace Kelly).
Então gente, vamos falar sobre o show. Não gostei de sua abertura. Ele poderia começar com uma música elétrica para animar todo mundo, mas então ele decide colocar "Relax", a única música dele que ainda não gosto (ainda). Mas depois aparecem as músicas citadas anteriormente, porém as músicas que roubam a cena são: Love Today e Lollipop".
Em Love Today, após o término da parte cantada por Mika, os instrumentos continuam, e Mika pega uma lata de lixo e começa a bater nela como se fosse uma bateria. É muito show! E na música Lollipop a banda coloca fantasias de galo, papagaio, coelho e leão. Muito cômico.

Agora vocês devem estar pensando: por que o título dessa postagem é "show de homem, voz de mulher" e eu explico. tem vezes que o Mika canta com sua voz normal e tem vezes, como em Love Today e Lollipop, que ele canta extremamente fino, dando a impressão de quem canta ser uma mulher (outro fato que aconteceu com meus amigos).
Mika é muito bom, pop, eletrizante, animador e tudo de bom, mas tenha certeza de que você comece pelas músicas certas.

Legally Blonde The Musical- Patrcinhas se tornam estrelas



       Para quem já viu o filme saiba que o musical é bem diferente em sua história e claro, tem muitas músicas. Para quem não gosta de musicais com muitas músicas (pessoas que reclamam pelo tempo de Rent) nem perca seu tempo, porque tem quase duas horas de música e isso é normal em qualquer peça musical.
        Laura Bell Nudy (Elle) arrasa novamente (para quem não sabe ela fez a Amber Von Tussle no OBC de Hairspray). Sua voz é excelente e sua energia cativa a todos. Uma pessoa que quase rouba a cena (algumas vezes consegue) é Orfeh (Paulett) que é muito engraçada, ainda mais com a nova idéia do musical por ela ser viciada em irlandeses.
        Uma coisa que eu sempre falo: cenário de espetáculos musicais são ótimos. Hairspray, Rent, A Bela e a Fera, Wicked, Sweeney Tood e claro que Legally Blonde entra nesse grupo. As rápidas mudanças da casa das Delta Nu para o restaurante, depois o salão e depois outro cenário e tudo isso muito rápido é excelente e adoro isso em qualquer musical (até agora nenhum me decepcionou).
         O Musical também fala de uma coisa que qualquer filme/ teatro que se foca: batalha contra o machismo. O professor de Elle tenta seduzi-lá e a beija, seu namorado ( e todos) pensam que elas não é capaz de nada e acham ela burra. Mas também são homens (no caso, um) que a faz quebrar essas barreiras, Emmet, que ajuda Elle durante todo o musical.
        Um aviso bem claro: as pessoas que não gostaram do filme pelo fato de achar idiota e ridículo pelo o de Elle ser uma patricinha loira e depois entrar na faculdade mais difícil do EUA, do "Abaixa e levanta", e de outros fatores pode não gostar do musical. Entenda o seguinte: Legally Blonde passa uma mesma sensação que Mamma Mia!: felicidade contagiante, e isto está evidente no musical. Existem piadas de Elle espalhadas por toda a peça que fazem você rir, como se ela estivesse na faculdade para se divertir, mas finalmente ela percebe que ela pode ser uma mulher melhor.
        Músicas como "Find my way", "Oh My God!", So much Better", "Gay or European" são ótimas e contagiantes. As dançãs são principalmente focadas em street dance e em movimentos de líderes de torcida. Legally Blonde é um ótimo musical, para pessoas que gostam de filmes de patricinhas, pessoas buscando por seu verdadeiro amor e irlandeses.

25 de março de 2009

Avenida Q- Como eu quero que venha para São Paulo


        Para quem não sabe, no original, "Avenue Q" (Avenida Q) é um dos melhores e mais duradouros (no momento) musical da Broadway.
        O  espetáculo orginal fala sobre uma vizinhança que mora num dos lugares mais pobres de Nova York (isso na versão americana). O espetáculo utiliza fantoches, como aconteceu muito na década de 80 e 90 com o Muppets. Mas esses fantoches falam palavrão e tudo. O musical fala sobre racismo, pornografia, e um propósito na vida. Quero muito que chegue em São Paulo. No momento a peça está no Rio, mas para matar um pouco da ansiedade, aqui estam alguns videos.

        Atualizado: O musical brasileiro também fala de uma vizinhança em NY.





Quem quer ser um milonário?- Não é um Caminho das Indias




        Para as pessoas que assistem a novela (inclusive eu) "Caminho da Índias" e acha que "Quem quer ser um milionário?" falará da mesma coisa, está completamente enganado.
        Para quem não sabe, "Caminho das Índias" é uma novela feliz que mostra a cultura indiana e tudo o mais, porém do seu lado conservador. Mas será mesmo que eles mostram tudo? Claro que não, e é nesse momento que entra "Quem quer ser um milionário?".
        O filme é completamente o oposto da novela (graças ao bom Senhor). A história é sobre um menino, Jamal, que sofre nas favelas, sendo pobre, perdendo a mãe, ou seja, quase o que conhecemos de uma favela brasileira. Ele é apaixonado por uma garota chamada, Latika, e busca por ela durante todo o filme. E ele tem um irmão chamado Salim (falarei dele mais para frente).

        O filme é muito bom! As atuações são boas, as paisagens (ou fotografias, sei lá) também são ótimas! A história é excelente. Acho que o único problema foi o Oscar. Sei que não devemos ouvir o Oscar, porque só tem velho conservador que faz a votação, mas eu não consigo. "Quem quer ser um milionário?" ganhou 8 Oscars. Achei isso um exagero. O filme é muito bom mesmo, mas nada assim que ganhe toda essa quantidade de Oscar. Daria para ele o Oscar de melhor trilha sonora, melhor canção. Dos filmes que eu vi indicados para Melhor Filme foram: "Quem quer ser um milionário?" e "O Leitor". Entre esses dois eu fico "milionário", fazendo o filme ganhar também automaticamente de Melhor Diretor, mas ainda tenho que ver os outros filmes.
        Quando eu estava vendo o filme eu não esperava a hora do Salim morrer e fiquei desapontado no final. O moleque é um traíra, duas caras e uma coisa que eu gostaria de dizer mas minha mãe descobriu sobre o blog e não posso falar (brincadeira) e também para respeitar algumas pessoas. Embora desejasse sua morte (sei que é feio pensar nisso, mas fazer o que) eu nunca (acho) desejei a morte de uma pessoa num filme como da crente do "O nevoeiro". Eita mulher irritante.

         "Quem quer ser um milionário?" também traz um clima bom durante todo o seu filme. Jamal, mesmo sendo pobre e tudo o mais é feliz e muitas vezes, quando ainda criança, adora fazer, vamos dizer assim, "palhaçadas", como inventar histórias da Índia para turistas, mergulhar na merda (literalmente) e muito mais. Jamal não desiste nunca de encontrar seu amor: Lakita, que é tirado dele por várias pessoas, incluindo seu irmão (aquele desgraçado). E claro que torcemos por ele se tornar um milionário.
        "Quem quer se um milionário?" é um ótimo filme, mas vale apenas algumas estatuetas das quais ganhou e não todo esse exagero que aconteceu.

24 de março de 2009

Livro II- Cap 7

Capítulo 7- A discussão

               "Hoje é o dia" pensei. Estávamos na sala de cinema, ou deveríamos estar. Ainda estava de olhos fechados pensando. Estava tudo planejado. Á noite Carmen eu e falaríamos o plano de permanecer na casa. Mas comecei a me perguntar se era mesmo necessário.

            Tudo voltou ao normal. Ele não voltou o que me fez pensar em ficar até o final das férias na casa como era o planejado desde o início. A casa estava toda mobiliada novamente. Todo o sangue espalhado pelas paredes já estavam cobertos de tinta branca. Claro que quem organizou tudo foi o mordomo com os empregados. Mas nenhum sinal de vida externa vagava pela casa. 

            Packet estava se divertindo, como todos os outros. Todos estavam com sorrisos nos rostos e parecia que se esqueceram do ocorrido, como se nada tivesse acontecido. Ninguém ligou para os pais, afinal o sinal não voltou deste então e não tinha nenhum meio de comunicação, apenas a televisão, que não tinha um bom sinal, fica com ruídos e a imagem tremia, fazendo dela um objeto inútil no momento. Pelo menos era o que eu achava.

            Todos já estavam acordados e eu era o único na sala de cinema. Fui até a biblioteca, mas Carmen não estava lá. Decidi então tomar meu café da manhã. Ao chegar à cozinha todos estavam lá, exceto Packet que estava no celular, provavelmente tentando falar com seus pais.

            - Bom dia.

            -Bom dia- responderam todos.

            -Com quem Packet está falando?- perguntei, afinal não tinha sinal algum.

            -Está tentando ligar para o pai dela- disse Juliet- mas não consegue. Ela recebeu uma mensagem dele, mas ela não quer contar o que aconteceu aqui em milhares de mensagens. Ela quer falar com ele.

            -Que bom, mas pessoal preciso falar uma coisa- Carmen olhou na minha direção, pensando que falaria sobre o plano de ficar na casa- por que não ficamos na casa até o fim das férias como planejado?

            A discussão começou. Uns falavam: "Claro! Vamos aproveitar!", outros falavam: "Você está louco? Seremos mortos!". Packet entrou com um sorriso estampado na cara.

            - O que aconteceu?- perguntei para Packet. Todos pararam de discutir e olharam para ela.

            - Meus pais mandaram uma mensagem falando que tem uma grande surpresa para nós- ela fez uma pausa, podendo engolir a saliva e voltar a falar- eles falaram que uma novidade saiu na televisão, mas que como o sinal daqui continua ruim e não podemos ver, a surpresa viria esta noite para cá. Disse que "alguém esta voltando para casa". Mas não sei quem é. Pode ser algum parente famoso.

            Todos ficaram pensando. Claro que quando o pai de Packet disse "alguém está voltando para casa" deve ser realmente algum parente de Packet.

            -Quem seria?- perguntou Juliet. Foi nesse momento que percebi que os olhos dela brilhavam de tanta felicidade.

            -Na verdade duas primas minhas estavam em outros países e um primo meu morou por um tempo com uma mulher num país que não lembro o nome. Acho que seja mais provável que seja uma das minhas primas.

            -Qual o nome delas?- perguntou Carmen. Nesse momento percebi que Carmen estava com um novo livro nas mãos com um título vermelho estampado: "Portais".

            - Aposto que deve ser a Elizabeth- respondeu Carmen- mas também pode ser a Emma.

            - E como elas são?- perguntou High. Parecia que ele estava desesperado por uma menina.

            -A Elizabeth parece uma modelo. É alta, morena e extremamente magra. Ela trabalhava como médica em países pobres e era muito famosa lá. Já Emma é completamente o oposto. Ela é cheinha, loira e tem uma altura média, mais ou menos do meu tamanho, mas trabalhava como advogada noutro país e também era famosa. Acho que vocês vão gostar delas, seja qual delas vier.

               - Que bom!- eu disse entusiasmado, mas ainda sim preocupado. Não poderia trazer outra pessoa para a casa, se não a pessoa também seria perseguida. Mas não poderia arriscar o bem-estar de todos- Mas então permaneceremos na casa?

            -Sim!- falaram todos, sendo suas vozes ecoadas por toda a cozinha. Claro que Carmen estava insatisfeita com a decisão. Na verdade ela não estava nada contente.

            Enquanto todos estavam conversando fiz um sinal para ela para conversarmos em algum lugar. Comecei andar em direção a porta, mas Packet observou e perguntou:

            -Aonde é que você vai?

            -Vou apenas arrumar minha mala. Ela esta muito bagunçada.

            Depois de se passarem dois minutos, Carmen já estava na sala ao meuá lado.

            -Vamos para a biblioteca. Aqui não é seguro- disse Carmen. Parecia que ela descobriu algo novo.

            -Tudo bem- respondi. A perspectiva de uma novidade me tornou mais confiante na possibilidade de ficar na casa e tudo voltar ao normal.

            Chegamos à biblioteca e fechamos as portas.

            -Você está louco?- gritou Carmen com uma voz não muito agradável, com um tom de sermão.

            -As coisas voltaram ao normal- respondi inocentemente- talvez pudéssemos...

            -Talvez pudéssemos nada- interrompeu Carmen- as coisas apenas começaram. Acho que finalmente estou entendendo porque tudo isso está acontecendo.

            -Seriam os portais?- perguntei para Carmen que estava segurando o livro nesse exato momento.

            -Sim!- respondeu ela contente, mas com um tom paranóico- pelo menos parte disso. Nesse livro fala que os portais podem abrir e fechar em qualquer espaço ou tempo, sendo assim o contato do nosso mundo com outro.

            -Carmen- disse calmamente- um louco invadiu a casa. Pode ser qualquer pessoa da escola.

            - Não pode- respondeu ela agora com um tom de medo. Sua cara ficou mais pálida do que a nova tinta do corredor e começou a olhar para baixo.

            -Por que não?- perguntei. Afinal, como ela poderia ter tanta certeza?

            -Por que dessa vez eu não tive um sonho- ela tirou a blusa que cobria seu braço. O braço de Carmen estava com algo preto e circular, como se fosse uma pequena pinta, mas na verdade era um olho com uma listra vermelha no meio- eu tive uma visão.

22 de março de 2009

Thelma e Louise- Um dos melhores


        Gente esse filme é muito bom! Excelente! Não é a toa que ganhou um Oscar e foi indicado para vários prêmios também.
        As atrizes nem preciso falar: Susan Saradon (a mulher de Richard Gere em “Dança comigo?”), interpreta Louise, e Geena Davis (a mulher de “Os fantasmas se divertem” e a mãe de “O pequeno Stuart Litlle”), interpreta Thelma, são ótimas (adoro as duas). Não sei o por que, mas elas passam um ar tão positivo durante todo filme (exceto nas cenas dramáticas) que é até contagiante.
        Thelma é maltratada pelo marido e é uma dona de casa. Louise é uma garçonete. As duas decidem viajar para casa de um cara. No caminho, elas param num bar. Um cara da em cima de Thelma. Bebida pra cá, bebida pra lá e tudo feliz, mas Thelma não percebe que o cara está querendo uma coisa “a mais”, se vocês me entendem. Depois de tentar estuprar Thelma, Louise mata o cara e agora são fugitivas.
        Como disse meu amigo Luciano, os obstáculos são homens: J.D, o caminhoneiro, os policiais, o marido de Thelma. Todos são contra a idéia das duas. E o que elas querem de mais? Viver. As duas são maltratadas e quando querem dar o “troco”, não pode. Assim as duas explodem um caminhão, prende um policial no porta-malas, fogem da polícia, assaltam e fazem de tudo isso por causa de quem? Dos homens. O caminhoneiro é safado e desrespeita as duas, o marido maltrata Thelma tratando ela como uma pessoa inferior, o cara do bar tenta estuprar Thelma, O policial quase prende as duas, elas assaltam porque o J.D roubou o dinheiro delas. Todos são barreiras e são quebradas.
        A cena final do filme é a melhor. Não posso falar, mas para quem já viu o filme é a cena do Grand Canyon. Eu fiquei pensando “Elas farão isso”. E não é que fizeram mesmo? Eu pensei que ia mostrar a cena, mas não mostrou e fiquei meio desapontado na hora, mas depois eu pensei: “É um bom final”.

        “Thelma e Louise” é um ótimo, excelente filme (tanto que sua cópia já está aqui comigo). Suas atrizes são simpáticas, trazem um bom ar para o filme e tem muita química. Nada melhor do que mulheres vencendo.

21 de março de 2009

Clube da Luta- Um estranho bom filme



Eu nem gostei nem odiei “Clube da Luta”. Eu acho o filme interessante. Acho que, talvez, seja por alguns fatos que eu gostei outros que eu não gostei que acaba neutralizando o filme.

A primeira hora do filme é lenta e cansativa. Um cara com insônia, interpretado por Edawrd Norton, começa a ir aos lugares que tem gente morrendo para poder chorar e finalmente conseguir dormir. Mas uma mulher aparece, interpretada pela mulher do Tim Burton e que é a Belatrix Lestrange da série Harry Potter: Helena Bonham Carter. Ela (a atriz) é meio louca (sem querer ofender). O jeito dela, o cabelo dela é muito estranho (assim como seu marido. Oi Tim). Por essas razões nunca vi ela agir de forma tão natural num filme como ela interpretou em "Sweeney Todd" e agora em “Clube da Luta”. A personagem, Marla Singer, é estranha que nem a sua intérprete. Achei isso muito bom (para a atriz e para o meu entretenimento).

              

        Num belo dia durante seu trabalho, o personagem de Norton encontra Tyler Durten, interpretado por Brad Pitt (mulheres se contenham) e os dois ficam amigos e criam o "Clube da Luta". Após a casa do personagem de Norton queimar, os dois começam a morar juntos. Marla descobre o telefone de Norton e liga para ele. Nisso, o personagem de Norton não desliga o telefone e deixa ele em cima do orelhão (sim, dentro da casa o telefone é o orelhão). Nisso o personagem de Pitt atende ao telefone e os dois começam a sair.

        Já falarei uma coisa: não gosto de filmes que interage com o público. Na hora que ele apresenta Tyler e quando ele fala com o público me deixou muito irritado (sim, esse é um dos motivos por não gostar de Violência Gratuita). Acho que os filmes tem que se focar na história deles e não na nossa.

        A segunda parte do filme é a mais divertida e rápida (o que faz valer apena ver as primeiras horas do filme). O grupo fica maior, começa terrorismo, planos e o melhor de tudo: o personagem de Norton não pode saber de nada porque a regra é “nunca falar sobre o projeto”.

        Estranho, divertido, lento, rápido, faz de “Clube da Luta” um bom filme. Estranho, mas ao mesmo tempo um bom filme.

17 de março de 2009

Resultado da enquete- Qual o melhor tango?


        Em último, ou melhor dizendo, terceiro lugar ficou o "Tango Maureen" do musical Rent com 4 votos. Eu gosto muito desse tango, mas ele não se destaca muito.
        Em segundo lugar ficou o "El Tango de Roxanne" do musical Moulin Rouge com 7 votos. Adoro esse tango, mas não sinto a emoção de um tango ( a câmera esta mais focada na cara de Ewan).
         E em primeiro lugar ficou "Cell Block Tango", o qual eu votei e ficou com 9 votações. Esse é o melhor tango com certeza. Ele da a emoção de tango. Uma emoção de rancor, raiva, desejo, separação. Tudo! Ainda mais que tem a talentosa Catherine Zeta Jones. 
          Obrigado por votarem 

Trabalho de Filosofia- Preconceito baseado no mito


        Bem, para algumas pessoas que não sabem, eu e o amigo diretor, às vezes não postamos em nossos blogs por causa de alguns trabalhos, que não precisavam ser feitos, mas este não é um exemplo, talvez sua base (para que um mito?).
        O trabalho é baseado no mito de Dioniso. Dioniso causa polêmica em Tebas após sua chegada e deixa as mulheres loucas. Penteu é seu primo e não reconhece Dioniso como seu parente, mas principalmente como um indivíduo, começando assim o preconceito. Aqui está o video:
video

15 de março de 2009

BBB9- Erro na Globo trás polêmica



        Sim gente eu assisto Big Brother. Para as pessoas que não viram, seja por não gostar ou porque não viu mesmo, o video está no fim da postagem. O que acontece? Um cara, não sei quem é, fala para a Ana parar de brincar com um alicate. O cara usa palavrão, ameaça fazer de tudo e depois todo mundo volta a falar como se nada tivesse acontecido antes.

        Estão surgindo várias discussões na internet. Como aquela voz estava lá? Quem era? Seria tudo armação? Bem para aqueles que não sabem BBB é armação completa (eu sei é difícil de admitir). Tudo armado e planejado (como as pessoas são ingenuas). Mas esse não é o problemas, pelo menos para mim. O problema foi a falha feia. Se fosse uma frase como "Pare de fazer isso" tudo bem, mas o cara fala que vai arrancar o braço dela. E tudo volta ao normal. Não ficaria calado de jeito nenhum.
       Primeiro eu ri bastante, mas depois parei para pensar. Como disseram numa comunidade isso não é querer ganhar 1 milhão de reais e sim querer ser humilhado 24 horas por dia. E fica a pergunta que o Renan da comunidade do "Hairspray" falou: "Vale ser humilhado assim para ficar disputando 1 milhão? Aqui está o video:

video

        OBS: Imagine se isso acontece cada vez que fica sem som.

Disque M para Matar- Como diria meu amigo: "Não me tocou".



        Assisti o filme sem saber nada: quem eram os atores (também não saberia reconhecer), não sabia nada da história. Vi o filme completamente "virgem". A única coisa que eu sabia era o diretor.Eu gostei do filme "Disque M para matar" do lendário diretor Alfred Hitchcock, mas o filme não me tocou de forma alguma.
        A história é bem simples: marido descobre que a mulher está traindo-o. Decide então contratar um assassino.A história é bem detalhada e o melhor: tudo se passa entre quatro paredes, ou seja, na casa do casal. As cenas do marido falando com o assassino e depois o marido falando com a polícia tentando fazer do possível da história verdadeira dele ser real é formidável. Não fiquei confuso, mas percebi que os personagens ficavam cada vez mais confusos com uma troca de informações.

        Achei o final bem elaborado e esperto. O policial penteando o bigode foi o mais comédia. E o marido agindo de forma natural sabendo que já estava ferrado. Mas não sei o porquê do filme não me tocar. Parece um filme normal, como qualquer outro. Como diria meu amigo em sua crítica em "O leitor", o filme não me tocou.
        Não teve suspense, não teve ação, nem teve muito romance (apenas uns amassos) a única coisa que teve do tipo "oh!" foi a cena da tentativa de assassinato.
        Recomendo Disque M para matar. Sua trama é boa, seu roteiro também, mas não se prepare para um filme cheio de suspense ou cheio de ação. Como diria meu amigo novamente: "Esse é um filme de diálogos".

14 de março de 2009

Enquete: Qual deveria ser o nome do blog


        Estão acontecendo muitas discussões sobre os nomes dados para a votação para o novo nome do blog.
Vou começar explicando os nomes:
          Cipoli. Não achei uma boa idéia na primeira vez que ouvi, mas achei interessante pelo fato de juntar o nome das três coisas principais postadas no blog: cinema, política e livros.
        Blog Jovens. Essa foi minha criação. Não que pessoas que não sejam jovens não possam acessar o blog, de jeito nenhum. Esse título mostra o ponto de vista de vários (ou não) jovens, invés de sites de críticas de analistas de Phd e variados de mais de 50 anos. Como falam por ai: "o mundo é dos jovens".
        Assuntos diversos. Idéia minha novamente. Lendo ela várias e várias vezes percebo que isso não seria ideal para um título e sim para uma postagem.
        Faça sua escolha. Idéia minha novamente. O título mostra exatamente o objetivo do blog: o leitor dar sua opinião sobre o filme, a política, livros e variados. 
        Agora com muitas discussões surgiu um novo nome (idéia da minha irmã): Blockbuster News Novidade a todo tempo. O "blockbuster" poderia ser filmes, livros, peças de teatro e variados e o "news" seriam notícias () dos mesmos e ainda acrescentaria política.
Bem abri este espaço para discussões, opiniões e sugestões. Façam bom proveito e façam a sua escolha.

        Atualização- O segundo round (novos nomes) começa agora!
         Atualização: Mudança de nome num dos escolhidos: Blockbuster and News (valeu FM)

Busca implacável- o verdadeiro espião



       Acabei de ver o filme o filme "Busca Implacável" e posso dizer que é um dos melhores filmes de ação já feitos. O elenco principal já é ótimo: Liam Neeson (faz a voz de Aslam em As croînicas de Nárnia e Gui- Gon Jinn em Star Wars I) e Famke Janssen (Jean Grey de X-men).
        Vou contar uma breve sinopse: Filha de pai ex- espião é sequestrada em Paris, quando está viajando com sua amiga (que também é sequestrada). O pai vai atrás da filha ( Falei que era uma breve sinopse).

        O filme é muito bom. Não é um Rambo que você verá partes de sangue espalhado por todos os lados, ou um 007 da vida, não, "Busca Implacável é um filme inteligente. O cara não atira para qualquer lado e raramente usa armas. O que ele usa são as próprias mãos, procurando lugares de nosso corpo que podem nos deixar desacordados ou nos matar (para quem não sabe isso realmente existe).

        O cara pensa em tudo. Para não ser rastreado ele usa um walk-talk, sabe qual o peso de uma arma carregada ou não, ou seja, o cara é um analista. Ele analisa as partes vulneráveis do corpo, os lugares, as pessoas, as vozes, simplesmente tudo.
        O filme não é cheio de explosões (como isso irrita em certos filmes), graças ao bom Senhor. Como disse antes o filme é mais voltado para a idéia do que seria realmente um espião (que não dorme com todas as mulheres. Ouviu James?).
        Busca Implacável também tem um tempo de duração média: 93 minutos ou uma hora e meia aproximadamente. Isso é um ponto positivo para o filme, porque não tem muita enrolação (odeio filmes que enrolam linguiça e duram 45 minutos a mais do que deveriam) o que seria um ponto positivo para o filme.
        Com um ótimo elenco, ótima história e ótimas idéias e um ótimo espião, Busca Implacável só poderia ser um filme ótimo.