15 de março de 2009

Disque M para Matar- Como diria meu amigo: "Não me tocou".



        Assisti o filme sem saber nada: quem eram os atores (também não saberia reconhecer), não sabia nada da história. Vi o filme completamente "virgem". A única coisa que eu sabia era o diretor.Eu gostei do filme "Disque M para matar" do lendário diretor Alfred Hitchcock, mas o filme não me tocou de forma alguma.
        A história é bem simples: marido descobre que a mulher está traindo-o. Decide então contratar um assassino.A história é bem detalhada e o melhor: tudo se passa entre quatro paredes, ou seja, na casa do casal. As cenas do marido falando com o assassino e depois o marido falando com a polícia tentando fazer do possível da história verdadeira dele ser real é formidável. Não fiquei confuso, mas percebi que os personagens ficavam cada vez mais confusos com uma troca de informações.

        Achei o final bem elaborado e esperto. O policial penteando o bigode foi o mais comédia. E o marido agindo de forma natural sabendo que já estava ferrado. Mas não sei o porquê do filme não me tocar. Parece um filme normal, como qualquer outro. Como diria meu amigo em sua crítica em "O leitor", o filme não me tocou.
        Não teve suspense, não teve ação, nem teve muito romance (apenas uns amassos) a única coisa que teve do tipo "oh!" foi a cena da tentativa de assassinato.
        Recomendo Disque M para matar. Sua trama é boa, seu roteiro também, mas não se prepare para um filme cheio de suspense ou cheio de ação. Como diria meu amigo novamente: "Esse é um filme de diálogos".

Um comentário:

Luciano Carneiro disse...

Pra mim é um dos filmes com mais suspense da história.