30 de abril de 2009

O Exorcista- Um épico do terror


        É quase impossível (porque existem excessões) de assistir a este filme e não gostar. "O Exorcista" é um dos melhores filmes de terror que existem, sendo comparado por muitos com "O Bebê de Rosemary" e "O Iluminado", mas isso eu comento mais pra frente.
        Vamos começar com a história: a filha de uma atriz famosa fica possuída pelo Demônio. Um padre fará o exorcismo dela junto de outro padre. Entre isso temos: assombrações, masturbações com um crucifixo, cegos enxergando padres, uma cama que balança, uma menina fazendo "ponte" e descendo a escada com a boca sangrando, entre outros.
        A atriz que faz a mãe, da menina possuída, Ellen Burstyn e a menina, Linda Blair, estão excelentes! Não sei como nenhuma das duas conseguiram o Oscar por esse filme. Provavelmente porque algum filme sobre a Segunda Guerra Mundial e/ou sobre o Holocausto foi lançado.
        Muitas cenas desse filme são animais! (para não dizer outra coisa). Tem muitas cenas "animais, então vou apenas citar as que eu mais gostei: a cena do crucifixo, as cenas do Demônio, as duas cenas da cama (quando a cama mexe e a que ela começa a balançar), a cena da festa, a cena do exorcismo (), a cena que a mãe passa pela casa e o Demônio segue ela e muitas outras, mas de todas essas cenas "animais", a melhor de todas é a cena da escada.
        A cena da escada é uma excelente final para o filme (se não me engano é esse o final da versão lançada para o cinema). Depois de tudo aquilo que passou, o padre se joga pela janela e desceu escada abaixo foi uma grande sacada de mestre. Muito bom mesmo! ("Muito bom" né Luciano?)
       Bem agora vamos a discussão: "O Exorcista" não é melhor que "O Iuminado", já que "O Exorcista" da apenas medo e, "O Iluminado" é um filme para ficar mais paranóico. Porém, "O Exorcista" é de longe melhor que " O Bebê de Rosemary", que fracassa como terror, mas é um bom suspense. Já estou até vendo o Luciano querendo me matar depois disso.
        Em ótimas atuações, ótima história, ótima trama e excelentes cenas, "O Exorcista" é um grande épico do cinema e é quase obrigatório para as pessoas que gostam de cinema e do gênero de terror, mas claro, não assista ao filme se você for um padre ou um louco seguidor da Igreja, porque não quero que você quebre o DVD.

Viajando para o feriado...


Infelizmente eu viajarei nesse feriado e não poderei postar nada. Queria tanto ficar em casa vendo filmes, tentando convencer meus pais de ir ao cinema, tentar convencê-los de comprar o cachorro (algo que faço todo dia), mas infelizmente não vai acontecer. Afinal, eu estou com meu dedo enfaixado.  Farei o que? Nem sei direito o que aconteceu com ele.  Não posso ir na piscina, jogar bola, na cama elástica, tomar sol (ficaria ridículo depois minha mão ficar branca por não pegar sol onde tem a faixa), não posso fazer nada. Eu estava esperando tanto para colocar esse filme na comemoração das 5.000 visitas, mas terei que postar ele ainda hoje: O Exorcista. Aguardem...

27 de abril de 2009

O TRIUNFO- O filme que todo professor e todo aluno deveria assistir


      Como diria o amigo diretor: "Você só assisti filme desconhecido". Mas não é minha culpa que o filme é muito bom. "O triunfo" é um filme "feito" (não sei se foi, por isso as aspas") pela HBO. Como eu tinha HBO na época eu assisti. Agora comprei o filme na minha locadora para assiti-lo novamente e claro, ter o filme. Eu adorei esse filme!
        Um professor, Ron Clark, decide sair de seu emprego como professor de uma escola pública num estado (se não me engano, na Califórnia) para conseguir o mesmo emprego, porém em Nova York. Nisso, ele começa a dar aula para uma das piores salas do estado, com a "fama" de conseguir fazer com que os professores se demitam e, tenta fazer com que a mesma se torne a melhor sala do estado. Seria isso possível? Só assistindo o filme para saber (o moleque chato).
       Quando eu estava assistindo o filme e vi a cena que o professor "surta" e começa a balançar uma mesa com a aluna dentro eu logo lembrei da cena que aconteceu na minha escola. Não foi a mesma coisa, mas foi a cena do "surto" em si que me lembrou. Muitos alunos não sabem, vamos dizer assim, o ponto final da paciência de cada professor. Depois que a aluna foi "balançada", ela fica traumatizada e fica em completo silêncio. Quem não ficaria? Você acabou de ser balançado com toda a força porque irritou alguém. Isso não é normal é?
        Uma coisa também é evidente: a dedicação do professor com os alunos. O professor visita a casa de cada aluno, ajuda uma de sua alunas com os deveres domésticos, limpa a pixação dos alunos, ajuda um aluno que foi agredido pelo próprio pai, da aulas depois da escola, resumindo, ele da apoio a qualquer momento e sabe quem você é e da importância para isso, ao contrário daqueles professores que te conhece por um número na ordem de chamada. E, para finalizar, o professor também se dedica ao máximo com os alunos, já que é o único que acredita neles. Uma mãe acha que a filha é burra, um "pai" acha o filho um marginal, uma aluna indiana sofre com os preconceitos do pai machista (da para entender né?).
        O filme tem uma ótima história (ainda mais, verídica) com ótimas atuações (menos do ator que faz o jovem Tayshawn que é muito forçado), entre elas a atuação de Mathew Perry (o Chandler do Friends. Agora ficou com vontade de assistir né?). "O Triunfo" é o filme que nenhuma pessoa passa sem se identificar com um personagem. Além disso, é um ótimo filme para alunos e professores.

26 de abril de 2009

Kids' Choice Awards ou Stupid Kids Choice Awards?



         Sinceramente, não tem mais nenhum lugar em que se podemos confiar e com certeza deve ser o lugar em que menos devemos confiar: Kid's Choice Awards 2009. Só para vocês entenderem, olhe só:

           Favorite Movie
           Bedtime Stories
           The Dark Knight
           High School Musical 3: Senior Year (vencedor)
           Iron Man



            Favorite Animated Movie
            Bolt
            Kung Fu Panda
            Madagascar: Escape 2 Africa (vencedor)
            Wall-e



            Favorite Female Movie Star
            Jennifer Aniston (Marley & Me)
            Anne Hathaway (Get Smart)
            Vanessa Hudgens (High School Musical 3: Senior Year) (vencedora)
            Reese Witherspoon (Four Christmases)


        Entenderam? Não? Eu ajudo: isso é nada mais nada menos do que uma grande piada. Vanessa Hudgens melhor atriz? Ela não chega nem no dedinho do pé da "minha" Jennifer Anniston e nem das outras candidatas.
        Melhor filme de animação Madagascar 2? Só pode ser brincadeira. Prefiro mais Kung Fu Panda (mas ainda é uma droga) do que esse Madagascar. Quem deveria ganhar? Wall-e é claro! Sem dúvida alguma.
        Melhor filme é HSM 3? Agora sim começa o apocalipse. Gente, esse filme foi uma das maiores bombas do ano passado. Dessa lista quem deveria ganhar é nada mais nada menos que "The Dark Knight". Homem de Ferro é chato e o outro nem preciso comentar, outra bomba do ano passado.
        Ou seja, de todas as premiações, o Kids Choice Award é o que menos podemos confiar. Afinal, quem escolhi os vencedores, em sua maioria, são crianças de oito anos que adoram Jonas Brothers, HSM e Madagascar 2 (o primeiro é bom, mas o segundo é uma das bombas do ano passado). Nada mais infantil né?

Jonas Brothers em Lua Nova?


"Um dos grupos musicais de maiores sucesso entre adolescentes da atualidade querem unir sua marca à vitoriosa franquia Crepúsculo, os Jonas Brothers.
        Em uma entrevista dada para o site da MTV, Nick Jonas revelou que ele e seus irmãos gostariam de entrar na trilha sonora da continuação de Crepúsculo - Lua Nova.
        Os irmãos já se declararam fãs dos livros e fazem questão de que pelo menos uma música apareça na trilha sonora."

        Fonte: Portal Twilight

        Minha reação com esta notícia: "Não!!!". Além de não gostar das músicas deles (não é modinha, simplesmente as letras são muito clichês) um motivo é o mais importante de todos: Disney. Qualquer filme, ator, músico que pertença ao "Mundo Disney" tem que ter distância de qualquer filme independente. Imagine se a Hanna Montana ou se a Demi Lovato decidirem fazer o mesmo? Muita influência Disney.

        Já agradeci a Deus por não colocar a Ashley Tisdale nem a Vanessa Hudgens como personagens do filme (além é claro da péssima atuação delas). Prefiro pessoas que são músicos/bandas de verdade, e que não precisam do "Mundo Disney" para fazerem sucesso, como Paramore, U2 (rumores, apenas rumores) e Tokio Hotel (nunca ouvi, mas não está no mundo Disney, além de ser rumor).

25 de abril de 2009

Macth Point- Ponto Final para Woody Allen?



        Comcei a ver as obras do Woody Allen com um filme declarado o mais fraco do diretor: Scoop: O Grande Furo. Embora faça um bom tempo que tenha assistido o filme, lembro-me de ter gostado. Depois decide assistir Vicky Christina Barcelona, o que pra mim foi um desastre (é um exagero, mas só para vocês entenderem), decidindo assim me afastar um pouco do diretor. Após um tempo, meu amigo ganhou o filme "Match Point", declarado um dos melhores filmes dele. Decide assistir. Mas novamente me decepciono com o diretor.
        Pra mim, o filme tem muito recheio para pouca massa, ou seja, o filme tem tudo de bom: boa história, boa trama, excelentes atuações, mas nada chega a lugar nenhum. Como assim? Simplesmente o filme é parado até a cena do assassinato. Na cena do assassinato entra o clímax. Depois tudo esfria novamente (nem vem me dizer que a cena do sonho esquenta alguma coisa).
        Eu soube (blog do Luciano) que o Allen se inspirou em ninguém nada mais nada menos do que o "mestre do suspense" (prefiro chamá-lo de "gorduchinho do suspense" posso?), ou seja, o Hitchcook. Vocês sabem (pelo menos quem lê) que eu não consigo identificar o suspense do "gorduchinho", desse modo a tentativa de Allen não funcionou com está pessoa que está escrevendo.
        Posso ser chato (aposto que o Luciano falará isso e ainda vou ouvir muita coisa da criatura ), mas o filme tem boas atuações, tem uma boa história e tem uma boa trama e mesmo assim não gostei. Não é aquela bomba (HSM 3, cof, cof), mas simplesmente não gostei. Então eu recomendo o seguinte: assista ao filme e depois me conte o que você sentiu. 
        Agora é só esperar para um novo filme do Allen, ou será que tenho que dar logo um ponto final nessa história?

23 de abril de 2009

Desisto dos contadores!



        Tudo começou com o blog do meu amigo e da Lola. Quando vi que eles tinham contador que marcavam quantas pessoas entravam no blog eu queria um. Então coloquei um bonitinho e lá ele ficou. E foi quando percebi que o meu contava por computador e não por quantidades de entrar (tipo, você entrar de novo e acrescenta mais uma entrada).
        Então resolvi colocar um outro contador (recentemente) para ver se o problema acabava. Além do problema não acabar, outro surgiu: cada contador tem uma quantidade diferente, mas extremamente distante e os dois contam por entrada de computador.
        Então pensei comigo mesmo: Desisto! O que basta para mim é que aqui vocês estão (eu acho que sim), lendo, comentado, pensando nos posts. Desisto de contadores de blog!

Todos os Canais!


        Depois de quase um mês pedindo para os meus pais mudarem o combo da NET (tv a cabo, não a internet) para que eu pudesse ter todos os canais de volta, finalmente consegui.
        Gente, eu tinha alguns canais com Telecine, que não passa muitos filmes bons (prefiro mais HBO). Quando eu descobri que eu podia ter todos os canais, sem Telecine, pelo mesmo preço eu não pensei duas vezes e já fui falar para os meus pais. Eles ficaram enrolando, enrolando, até que finalmente sederam (depois de comentar que tínhamos 274 DVDs e não tinha motivo para ter canal de filme).
        Finalmente terei meus canais favoritos de volta! Finalmente terei o Fox Life para assistir "Ellen" e "Sex And The City" (nesse canal passa direto), o E! Entertainement Television, que é bem melhor assistir ao Oscar do que pela TNT (aquele crítico de cinema ninguém aguenta) e, ainda tem aquelas fofocas e novidades sobre o "mundo do entertenimento", Nickelodeon e Jetix (só prara vocês verem que até isso dá um pouco de falta quando não tem, principalmente "Padrinhos Mágicos") e o People + Arts (Adorava assistir "Extreme Makeover", bem melhor do que "O não sei o que" do Caldeirão).
        Para as pessoas que têm uma enorme quantidade de DVDs, eu daria a dica de pensar em fazer o mesmo. Afinal, é a mesma coisa que você decidir pegar o filme e colocar no seu DVD e, ainda tem canais de filmes, como Megapix, TCm, MGM, TNT e variados. Fica a dica (né Marina?)

22 de abril de 2009

Festim Diabólico- um filme de personalidade



       Novamente eu não percebi o suspense de Hithcook, mas eu gostei de "Festim Diabólico" pela personalidade de seus personagens e da história.
        A história é a seguinte: dois amigos, Brandon e Phillip, matam um colega, David, e convidam seus parentes e amigos para uma festa. O que eles não sabem é que dentro do baú, que está servindo como mesa, está David, sendo assim declarado por Brandon "o crime perfeito".

        Gostei muito da história e o rumo que ela tomou, mas gostei principalmente da personalidade de dois personagens que mostram exatamente a mente humana: Brandon, Phillip e, a mistura dos dois num personagem: Rupert.
       Brandon é aquela pessoa intelectual que se baseia na lógica e na razão, tentando cada vez mais atingir a perfeição. Phillip deixa seus sentimentos te guiarem, sendo assim uma pessoa frágil e fácil de errar, longe do perfeito. Rupert se baseava nas idéias de Brandon, sobre assassinato, e seres humanos, até repensar sobre sua ideologia e ver que ninguém decide quem é uma pessoa "inferiora" ou uma pessoa "superiora", mostrando que não existe o perfeito.
       Só não gostei da tradução do título. "Festim Diabólico". Parece mais um título para um filme com muita matança. Prefiro muito mais o título original: "Roupe" ( corda em inglês), que foi o material utilizado no "crime perfeito" e a solução para o mesmo.
       Gostei das atuações também. As atuações dos atores que fazem esses três personagens estão impecáveis. "Festim Diabólico" é um bom filme para se assistir e pensar.

Livro II- Cap 13

Capítulo 13- A segunda pista

Corria pela casa até finalmente chegar ao jardim. Corri desesperado para tentar salvar minha vida, enquanto ainda podia tê-la. Todos corriam juntos para me procurar. A sede pela minha morte era evidente na face de todos.

Vi uma árvore bem alta e subi nela.

“Consegui despistá-los” pensei.

 Comecei a espiá-los e ver os lugares por onde passavam tentando me encontrar. Quando entraram no barco, o vulto ficou ao meu lado, num outro tronco da árvore.

-Você não vai procurar mais pistas?- perguntou o vulto, com uma maça em sua mão direita.

-O quê?- perguntei ofegante.

-Você ainda tem que descobrir quem eu sou- disse o vulto- você tem que se lembrar.

-Não posso acreditar em você- retruquei- você me deu pistas falsas e decidiu piorar seu joguinho controlando meus amigos.

-Não tenho culpa se a mente deles é fraca como a sua- respondeu o vulto- a Carmen foi a que mais difícil. Tentou me bloquear. Talvez ela soubesse que eu ainda estava em ação.

-Se ela tentou te bloquear- falei para o vulto- ela deve saber uma pista de quem você é.

-Certamente- disse o vulto- todas as suas respostas estão dentro daquela casa e em sua mente. Não se esqueça que seu tempo está acabando. Vou te dar uma chance.

Foi quando percebi que todos subiram no barco do pai de Packet. Após alguns segundos o barco ficou no meio do lago.

-Eles ficaram lá por quinze minutos- disse o vulto- depois desse tempo a matança continua.

-Que matança se ninguém morreu?- perguntei ironicamente.

-Ainda.

E o vulto sumiu.

Desci da árvore e corri para a casa. Comecei a buscar pelas últimas coisas que eles estavam fazendo e tentar achar alguma pista.

Parecia que todos ficaram na sala por um tempo, enquanto eu assistia aos filmes. Sanduíches, revistas, almofadas, estavam espalhados pelo tapete. Mas a coisa que mais chamava a atenção era o livro que Carmen sempre levava com ela.

Abri o livro tentando achar alguma pista, mas não tinha nada escrito. Tinha uma frase circulada com lápis, o que provavelmente foi realizado por Carmen. Estava circulada a frase que dizia que os fantasmas poderiam dominar a mente das pessoas.

“Cinco minutos” pensei. Ainda tinha dez minutos e o livro tinha que ter mais alguma coisa e foi quando eu vi o marcador de páginas, com todas as palavras maiúsculas na parte de trás:

“OLHAR AS FOTOS DE PACKET”.

Não sei se essa mensagem era para mim ou se era alguma coisa que Carmen não queria esquecer, mas decidi fazer o que estava escrito.

Fui para a sala de troféus, já que era o único lugar com fotos na casa. Vasculhei por todos os lugares por algum álbum de fotos. Mas nada aparecia. Comecei a entrar em pânico.

“Dez minutos” pensei.

Comecei a tirar todos os troféus, medalhas, fitas de VHS com os prêmios da família, e jogá-los no chão, mas não achava foto nenhuma, além das fotos de Packet e seus pais. Procurei pelas gavetas do móvel, mas não tinha nada, além de uma grande chave prateada. Decidi pega-lá, caso fosse alguma pista.

Olhei pela janela. O barco já estava voltando. Não tinha mais tempo. Os quinze minutos se passaram e eu falhei.

Vi um espelho que estava na sala de troféus pendurado na parede. Eu o peguei e taquei no chão, para quebrá-lo em vários pedaços e, podendo usar seus cacos como armas contra meus próprios amigos.

“Como você é idiota” disse o vulto em minha mente.

Olhei de novo pela janela. Todos estavam saindo do barco e agora eles seguindo o vulto.

Comecei a andar de um lado para o outro, me preparando para morrer. Na verdade, nunca tinha pensando em minha morte. Pensava que iria morrer de morte natural e de preferência dormindo. Mas não era o que estavas prestes a acontecer. Provavelmente eu seria esquartejado, mas antes torturado até gritar de tanta dor.

Peguei o espelho que estava ao contrário e o virei para sua parte quebrada para pegar um caco maior. Eu quebrei o espelho e nem percebi que a foto estava guardada dentro dele. A foto da pessoa que estava me perseguindo por todo esse tempo. E lá estava ele, do lado de Packet e de seus pais.

A maçaneta da porta virou e todos entraram. Foi então que me veio à cabeça a cena do filme que me dera à primeira dica:

-Não!- gritou o vulto.

- Elizinski! Elizinski! Elizinsk!- gritei.

Um clarão surgiu. De repente todos estavam no porão novamente. Todos voltaram ao normal. E lá estava ele, do mesmo modo que ele tinha morrido. Ele e Rash estavam lado a lado na frente daquela parede estranha com uma fechadura. Lá estava um amigo que não via há muito tempo pelo fato de estar morto. Diante de meus olhos estava Elizinski Fuhg.

-Primo!- gritou Packet.

Agora tudo estava explicado.

21 de abril de 2009

Louca Obsessão- As várias formas de se amar


        Como acabei dormindo quando meus amigos e eu fizemos nossa "Sessão da Tarde/Noite/Madrugada/Manhã", ou seja, ficamos a noite inteira vendo filme (mas eu acabei dormindo bem nesse filme) o meu grande amigo Luciano me emprestou esse filme. Gente é muito bom! ("muito bom!" né Luciano?)
        A história é assim: Um famoso escritor (James Caan), que acabou de escrever o último livro da sua famosa série "Misery" (eis o nome do filme em inglês) para ser publicado, capota seu carro numa nevasca. Ele é salvo por sua "fã número um" (Kathy Bates). Nisso, ele a deixa ler o último livro da série. Ao descobrir que a personagem principal, Misery, é morta, ela começa a ficar louca, faz o escritor queimar o livro e começar tudo de novo. Nisso o escritor tenta sair da casa de sua fã, embora esteja todo machucado, não consegue andar, não tem telefone e ela ainda o tranca dentro do quarto.
        O ator que faz o escritor (James Caan) é mediano, porque quem realmente rouba todas as cenas do filme e você espera que essa pessoa apareça logo, é a Kathy Bates. Embora tenha visto apenas alguns filmes com ela (Titanic, PS: Eu te amo, Tá todo mundo louco, As confissões de Schmidt, Armações do Amor, ok, eu vi vários filmes com ela), posso dizer que esta é sua melhor atuação, que lhe rendeu o Oscar com mérito. Gente, ela tá muito boa! As cenas que sua personagem começa a ficar paranóica, só tem uma palavra: nossa.
        Acho que muitas pessoas irão estranhar esse título: "As várias formas de amar". Parece até um filme de romance, mas a verdade é que não é. Simplesmente, por ter uma louca obsessão pelo escritor (me desculpe o trocadilho), a personagem de Bates não sabe de que forma o amar, sendo por elogio, atacando, ajudando, torturando, ela simplesmente o ama, e quer o melhor para ele.
        "Louca Obsessão" é um filme imperdível com esta maravilhosa atuação de Kathy Bates. E ainda é um filme baseado no livro do Sthephen King. Não perca.

Cabaret- Apenas Liza e o Cabaret




        Sim, sou sempre do contra. Eu não gostei de "Cabaret", ao contrário de muitas pessoas que o adoram. Achei ele bem regular, vamos assim dizer.
        A história é sobre Sally Bowles, uma mulher que quer ser uma grande atriz. Nisso ela está na Alemanha nazista, tem um triângulo amoroso e fica direto na bebida, além de trabalhar no Cabaret (pego o nome do filme?) e tudo isso se passa durante a ascensão do nazismo.
                Vamos começar com a primeira coisa que eu não gostei do filme: não têm muitas músicas. Acho que do filme inteiro nós vimos cinco músicas, se não me engano. Tinha momentos que eu perguntava se o filme era realmente um musical, pelos seus grandes intervalos sem nenhuma música.
        Outra coisa que eu não gostei do filme: separar musical da história. Sempre vemos filmes como "Moulin Rouge", "Rent", "Chicago", "Hairspray" e Cia com músicas espalhadas por todo o filme, mas Cabaret é um excessão. A única parte cantada é quando todos estão, obviamente no único lugar artístico, o Cabaret. Não passou aquela mensagem de ser um musical. Parecia mais uma separação do que é história e de um show à parte.
        Uma coisa que eu gostei do filme foi a Liza Minnelli. A atuação dela está muito boa e ela é muito talentosa, além de ter uma boa voz. Imagine só em seu primeiro filme você já ganhar o Oscar? E ainda que sua personagem é bem engraçada.
        Mas de todas as coisas que se vê em "Cabaret", a melhor é o próprio Cabaret, afinal é o lugar no qual ocorre a única parte musical e é nela que vemos o "Mestre de Cerimônias", ou melhor: o apresentador do Cabaret. Este talvez seja o melhor papel de todo o filme, que passa aquela idéia musical e ainda, uma idéia liberal numa Alemanha nazista.
        No resto, "Cabaret" é medíocre, ou seja, está na média. Roteiro, dança, atores, história, personagens, etc. As melhores músicas são: a primeira, que se chama "Willkommen e a música "Money, Money". A grande duração do filme também é algo a se falar, principalmente se você não acha o filme tão atraente.