2 de junho de 2009

PINÓQUIO- Aprendendo com menino de madeira

        É quase uma injustiça falar sobre os clássicos desenhos da Disney. Praticamente gosto de todos, exceto "Branca de Neve" e "Bela Adormecida" porque estes são extremamente chatos e não aguento nem um pouco. Mas voltando ao foco, é quase uma injustiça falar sobre "Pinóquio", que é um dos clássicos Disney que mais gosto, embora eu tenha conseguido vê-lo novamente apenas agora em sua versão para DVD.
        Bem, vamos a história: Geppeto é um marceneiro e numa bela noite (milagre não ser uma bela manhã) ele termina uma marionete, Pinóquio seria seu "filho", embora não tivesse vida. Assim que ele vê uma estrela no céu ele faz um pedido para tornar Pinóquio um menino de verdade. Dessa estrela surgi a Fada Azul e torna o pedido de Geppeto realidade, porém Pinóquio é um menino de madeira e apenas se tornará um menino de verdade quando for corajoso, verdadeiro e altruísta.
        Não contarei muito da história em si (milagre, moleque pentelho que conta o final), mas farei alguns comentários. Para começar: um dos "vilões" é representado por uma raposa, João Honesto. E o que o fiofó tem haver com as claças? Simples: as raposas são espertas e podem facilmente manipular as pessoas, como João Honesto manipula Pinóquio para o mesmo tentar a carreira de artista. "Agora faz sentido" (ou não né?).
        Outro comentário: o filme instrui você de que fumar, beber, quebrar, ser vagabundo enquanto você é uma criança e, é uma coisa boa. Quando isso acontece? Nas "Ilhas dos Prazeres". Claro que o filme depois tira essa insinuação e concerta o erro falando que é errado e depois você sofrerá consequencias, mas de primeira vista ele instrui você de que tudo isso seria prazeroso. Outro filme "forte" infantil Disney.
        Outra coisa: o filme instrui você de que os "balofos" são as pessoas (ou animais) mais cruéis que existem. Estou enganado? Posso até estar, mas Stromboli (o dono do shoe de marionetes), o dono das "Ilhas dos Prazeres" e a baleia Dona Monstra (começo a rir toda vez que falam isso) são todos balofinhos e cruéis, ou seja, não existem pessoas balofas que sejam "boas". Cuidado com o Hitchcook então.
        Como Disney modifica muito os seus filmes de contos de fadas com o conto original, "Pinóquio" não conseguiu escapar e tenho certeza, por isso que estou comentando, de que não existe nenhum Fígaro (gato) e Cléo (peixe) no conto.
        Falando na Cléo, tem uma cena do filme que Geppeto começa a pescar porque eles estão passando fome. Assim que os peixes começam a surgir (estou tentando não contar onde eles estão e nem o que estavam fazendo, por isso que fica meio confuso) ele começa a pescar todos os peixes para comer. Mas e a Cléo? O que ela vai comer? Ela já é um peixe. "Peixe são amigos, não comida", como diria a Dory e nesse exato momento me lembrei de "Procurando Nemo".
        Mas o filme também consegue ensinar as coisas básicas de um conto de fadas: ser uma pessoa decente sempre trás vantagens (embroa isso não aconteça no Brasil com os políticos) e a pessoa pode ser feliz para sempre. Mais nada? Claro que sim ele ensina que a vida no teatro, na televisão, no cinema, enfim, no entretenimento é mais "doloroso" do que as pessoas pensam. Assita "Pinóquio", porque este é mais um bom clássico do entretenimento de Walt Disney.

4 comentários:

FM disse...

Conheço a história de Pinóquio... Mas nunca vi esse filme da Disney.

Luiz Grandisoli disse...

Tudo depende dos valores que vc aprendeu em seu ambiente familiar e como isso é demonstrado por todos que convivem com vc. O Pinóquio mudou, mudou e mudou. O interessante é a mensagem: Diga-me com quem andas que te direi que és. Concorda?

Luciano Carneiro disse...

Gostei de suas interpretações do filme, mas discordo de uma: não acho que o filme instrua as crianças a essas coisas "ruins", pelo contrário. E, verdade, os gordos são pintados como as piores pessoas do mundo. No geral, nunca gostei muito do filme. Não é nem de longe um dos meus clássicos Disney favoritos. Prefiro A Bela Adormecida e Branca de Neve. E Cinderela. Ah, mas o meu favorito mesmo é A Bela e a Fera, sem dúvidas.

FELIPE G2 disse...

FM: Assista agora que o filme foi relançado em DVD...

Tio, realmente tudo depende dos valores dados pelo ambiente familiar, mas como Pinóquio faz tudo isso no dia seguinte depois que "nasce", ele não aprendeu nada com o pai...
"Diga-me com quem andas que te direi que és". Concordo plenamente.

Luciano: Sei que o filme fala depois que são coisas ruins e que os meninos sofreram consequências, mas de primeira vista você pega o pensamento errado...
Prefiro Pinóquio mil vezes do que assistir "A bela Adormecida" e a "Branca de Neve"...