13 de julho de 2009

O NEVOEIRO- conflitos dentro de um supernercado


Adoro filmes sobre o apocalipse. Aliás, quem não gosta? Quem não gosta de ver como poderia ser o final da raça humana? Quem não gostaria de ver que tudo isso foi por causa de um de nós? Qriauem não gosta de ver pessoas morrendo (tudo bem, esse eu sei que existem pessoas que não gostam, mas a maioria das pessoas gostam de ver pessoas morrendo, senão não haveria Rambo IV)? Quem não gosta de ver um filme que não tenha um final feliz (ok, nesse também tem gente que não gosta)? Se você procura um filme assim e com um bom roteiro, você está procurando O Nevoeiro, mais um filme da lista quase intacta de filmes de um dos maiores escritores: Sthephen King.

A história acontece numa cidade nos EUA (óbvio, não?), na qual um misterioso nevoeiro cobre toda a cidade após uma tempestade. Dentro de um supermercado parte da população ouve gritos vindos do nevoeiro e veem criaturas estranhas, nunca vistas antes. Nisso, o pessoal presente no supermercado transformará o mesmo numa fortaleza, a qual sofrerá presão, drama, romance, mortes e crentes religiosos (adoro crentes religiosos).


As atuações do filmes são boas. O ator principal que faz o papel de David, Thomas Jane, está bem, apenas na última cena do filme que deixa a peteca cair. O menino que faz seu filho Billy, Nathan Gamble está muito bom para sua idade (e melhor que muitos que existem), mas quem rouba o filme é o personagem da crente religiosa Sra. Carmody, interpretada pela magnifica atriz Marcia Gay Harden. A Sra. Camody é uma mulher obcecada por Deus, tanto que Ele é o seu único amigo. Dentro do supermercado ela tenta juntar as pessoas para mostrar a vontade de Deus e mostrar que o apocalipse trazido pelo mesmo. Sendo assim, ela se declara a Voz de Deus, tentando assim se tornar uma líder dentro do supermercado. A atriz Marcia não faz feio, pelo contrário, faz uma excelente atuação, que poderia ganhar facilmente um Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante. De tanto odiar sua personagem, acabamos amando-a. O filme também tem outros atores conhecidos e desconhecidos.Conhecidos porque já vimos eles em outros filme, mas desconhecidos porque fizeram poucos e foram coadjuvantes em sua maioria.


O filme tem um ótima história. Conhecendo o modo de escrita do Sthephen King, aposto que o conto "O neveiro", que está presente no livro Tripulação de Esqueletos, o qual o filme é baseado, deve ser muito mais picante e aterrorizador. Afinal, para as pessoas que apenas leram livros infanto-juvenis e um livro apenas um pouco mais "picante", como o livro Depois daquela Viagem, Sthephen King é considerado o mestre de palvões e sexo. Mas o que Sthephen faz é nada mais nada menos do que usar palavra que seriam usadas naturalmente. Mas, de acordo com minhas fontes, o final do filme (que é excelente) é diferente do final do conto, considerado por muitos melhor que o original.


Entre essas e outras, O Nevoerio é um filme com bom roteiro, atuações que se destacam e cativam o público. O único problema do filme seriam os efeitos especiais das criaturas vindas do nevoeiro, sendo mal feitas bregas. Mas tudo é salvo graças a um bom roteiro. E quem disse que velinhas são pessoas ridículas como a velinha de A proposta? A velinha de O nevoeiro é uma das mais corajosas e engraçadas. Viva as velinhas!

3 comentários:

Luciano Carneiro disse...

Acredite, o filme é TRIMELHOR do que o conto do Stephen King. E não acho que ele seja o mestre do sexo do palavrão, não. Mas adoro O Nevoeiro, o filme.

Mirella Santos disse...

eca! esse filme minha nossa... muuuito podre, efeitos:0, roteiro: previsível demais, acho que já vi tanto filme de terror que sem nem saber da história eu ja falava o que acontecer na cena seguinte (minha mãe jura até hj que ja tinha visto antes),ah, o fim uns dez minutos antes de acabar eu já tinha dito, a mesma coisa aconteceu quando ele deu um soco no homem quase no começo, mas eu gostei mesmo foi da fanática religosa me dava tanto ódio dela que no fim eu gostei do personagem, enfim não gosto do filme, mas gosto realmente não se discute não é Felipe?!

FELIPE G2 disse...

Luci..ano, ainda sim eu quero ler o livro. Continuo lendo Amgústia. Nos livros ele é, nos filmes não...

Mirella, realmente gosto não se discute, mas acho que todos gostam da louca crente...