29 de agosto de 2009

O MÁGICO DE OZ- O lugar além do arco-íris

É Prada e ainda vem com acessórios!

Mais um filme para a lista de filmes que são quase impossíveis de se descrever! Sim meus caros, O clássico O Mágico de Oz não tem esse essa fama de "clássico" porque é uma palavra bonitinha. O filme é clássico por tudo: um dos primeiros filmes coloridos, um filme que lembra o jeito dos filmes do diretor Tim Burton (mais pra frente explico), um filme lindo (como A Fantástica Fábrica de Chocolate[o primeiro, não o remake]), com ótimos efeitos especiais (e lembre-se que não havia computador na época, e, o filme consegue deixar muitos filmes atuais no chinelo). Simplesmente uma obra-prima clássica do cinema.


A história muitos devem conhecer, para os que não conhecem aqui vai: Dorothy é uma menina que vive na pacata (adoro essa palavra) cidade do Kansas. Com medo que seu cachorro seja morto, ela foge com o mesmo, porém, quando um mago vê em sua bola de cristal que a tia de Dorothy está acabada por Dorothy ter ido embora, Dorothy decide voltar. Assim que volta para casa, Dorothy fica procurando por sua tia (que está se protegendo do furacão no sótão, porão, sei lá o nome do lugar). Dorothy é "pega" (explico mais pra frente também) pela furacão e assim que acorda, Dorothy está numa bela cidade. Para poder votar para casa ela tem que se encontrar com o grande mágico de Oz. Dorothy ainda terá que enfrentar a Bruxa Má do Oeste, pois a casa de Dorothy caiu na irmã da mesma. Sendo assim, a bruxa busca por vingança e pelos sapatos de rubis de Dorothy.


Realmente lindo, não? Só de ler a sinopse já da aquele gostinho de querer ver o filme novamente. Para você entender bem a história do Mágico de Oz, você tem que prestar muita atenção no início do filme, que a Dorothy ainda está no Kansas. Se você perceber, a terra de Oz é nada mais nada menos do que os últimos momentos de Dorothy no Kansas, sendo seus amigos da fazenda os mesmo de Oz, porém com diferenças estravagantes. Um deles virou um Espantalho, o outro o Leão e o outro um Homem-de-Lata.


Lembra que Tim Burton (pessoal, ele já é considerado um diretor cult, não? Pelo menos por minha pessoa ele já é) deixa uma parte do filme bem escura e a outra bem clara, como acontece com Sweeney Todd? Pois é, isso acontece com Oz. O início do filme, no Kansas, é em preto e branco. Quando Dorothy chega em Oz, tudo é exageradamente colorido e bonito.


Vocês que assistiram o primeiro Fantástica Fábrica de Chocolate se lembram da sensação quando todas as crianças e seus pais (e o público) entram na Sala do Chocolate pela primeira vez? Lembra como os olhos de todos brilham, os olhares ficam fixos e seu QI vai para 0 (o meu pelo menos foi e sempre vai)? É a mesma sensação quando nossa Dorothy vai para Oz. Tudo lindo! Magnífico! São poucos filmes que conseguem fazer isso conosco.


Sem dizer a atuação da atriz de nossa pequena Dorothy, Jude Garland, que está espetacular, como todos os outros! O leão é um dos personagens mais engraçados do filme! Mas um dos personagens que rouba a cena assim que chega é a Bruxa Má do Oeste, interpretada pela Margaret Hamilton. Se você apresentar este filme para uma criança de cinco anos, saiba que a possibilidade da mesma ficar com trauma da bruxa são muito altas.


Agora, o filme tem duas versões sobre a possibilidade de Dorothy ter ido ou não para a grande terra de Oz. A primeira é que os personagens da fazenda defendem que Dorothy apenas bateu a cabeça, embora ela diga que realmente foi para Oz. Não sei vocês, mas eu acredito na Dorothy, Ela foi para seu lugar além do arco-íris. Eu acredito na Jude Garland (acho que ela cativa muito as pessoas, não acha?)


Você se pergunta de como bonito o cinema pode ser? É só você assistir O Mágico de Oz que você sentirá uma grande diferença na sua vida, sendo a mesma mais alegre, contagiante e leve. Esqueci de falar que o filme é um musical? Sim, esqueci, mas isso é só um aviso para as pessoas que não gostam do gênero. Se você não gosta de pessoas felizes, anões cantantes e uma história feliz, Oz não é o seu lugar além do arco-íris (ai que trocadilho péssimo).

5 comentários:

Luciano Carneiro disse...

Adoro O Mágico de Oz e gostei muito do seu texto. Ficou muito bom. Parabéns! ;D

FM disse...

Eu vi esse filme há muuuuito tempo... Nem lembro mais.


Ta aí um filme clássico q ainda naum fizeram um remake.

≈ Larissa Mignon disse...

Na verdade fizeram um remake sim, jávi para alugar na locadora mas nunca peguei não...

FELIPE G2 disse...

Vlew Luci!

FM: Assista novamente! Muito bom! Teve um remake só que sem as músicas (resumindo, oz sem música= merda)

Larissa: Você foi esperta. É horrível! É Mágico de Oz sem música!

Grazy disse...

o fime sem musica é para ser visto com o album de pink floyd "dark side of de moon" duvido acharem uma merda é uma maravilha parece q foi criado para o filme.o albun THE DARK SIDE OF THE MOON e o filme O MÁGICO DE OZ tem sim uma sincronia perfeita funciona assim:você deixa o CD esperando em pause.
Assim que, na abertura do filme, o leão da Metro der o terceiro rugido, você solta o pause e deixa o CD rodar.
Nem o filme nem o CD devem ficar com o volume alto demais.
Você precisa escutar os dois ao mesmo tempo para obter os melhores resultados e perceber as coincidências, e o albun é tocado duas vezes e meio.