8 de outubro de 2009

O CASTELO ANIMADO- Entre neste castelo andante cheio da magia de Hayao Miyazaki

Acorda menino! Estão falando de nós!

Não é a toa que Hayao Miyazaki seja considerado um "novo Disney", embora seja equivocado e ridículo ao mesmo tempo. O cara consegue criar um mundo novo a cada filme, com novos personagens, nova trama e novos significados. Isso é o que o Walt Disney fazia na maioria da vezes (ou seja, não eram todas). Hayao provou muito bem em A Viagem de Chihiro e consegue fazer o mesmo em O Castelo Animado que consegue fazer uma animação adulta (não é pornografia só porque falei a palavra "adulta". Pessoa chata!).


A história é sobre Sophie, uma menina/jovem adulta que trabalha na chapelaria de seu pai e que não aproveita a vida. Então, uma feiticeira joga uma maldição nela, transformando-a numa idosa (porque toda idosa é corcunda em animações?). Tentando se livrar do feitiço, Sophie vai para as montanhas e acaba encontrando o Castelo "andante" do feiticeiro Howl, com que terá um incrível admiração e paixão durante uma guerra que está acontecendo entre reinos vizinhos. Além disso no castelo tem um menino, aprendiz de feiticeiro, um demônio e, depois, a mesma bruxa que jogou o feitiço em Sophie. E tudo isso se passa, em sua maior parte, num castelo "andante".

o Mizayaki para criar esses personagens. O Caulcifer (no original Caluficer, que teve o nome alterado por lembrar o Lúcifer[algo idiota, mas tudo bem]) é o personagem mais divertido do filme em minha modesta opinião (posso dar minha opinião, né? Nenhum protesto? Eba! Ganhei a batalha [mas não a guerra, ainda têm os comentários. Droga!]), sem falar no Cabeça de Nabo, o personagem mais simpático de todo o filme. E o melhor de tudo: é um personagem sem falas e que só pula, mas com tamanha simpatia.


Mas o Hayao Miyazaki perdeu um pouco da originalidade neste filme, repetindo algumas coisas de Chihiro. Um exemplo é o fato da personagem principal feminina entrar num mundo mágico, do personagem principal masculino conseguir voar (Em Chihiro um dragão e em Castelo uma ave enorme), o fato de alguma vez as personagens conhecerem ou se lembrarem da infância do parceiro, entre outras coisas. Mas a coisa que mais me irritou foi a dublagem da Sophie no Brasil Que voz mais chula! Horrível! Joga na fogueira! Sem entimento algum! Me deu até vontade de gritar com a tela e tirar o DVD...


Mas isso não é motivo de não gostar de O Castelo Animado, já que o mesmo é um ótimo filme, adulto e com uma boa mensagem no final. E para minha pessoa, o filme consegue ser mais uma obra-prima de Hayao Miyazaki, mesmo que tenha faltado um pouco de criatividade na cuca dele (ou tenha faltado outra coisa...). E eu aqui ainda esperando por Ponyo que não lança nunca neste país!

2 comentários:

FM disse...

Parece Interessante.

Chihiro eu só vi o final, mas gostei muito.


Mas uma dúvida... Se vc não gostou da dubalgem pq não colocou no áudio original?

FELIPE G2 disse...

É que como eu não entendo nada de japonês, o jeito da dublagem deles parace muito sem emoção...