11 de novembro de 2009

O GRANDE DITADOR- Um dos maiores clássicos do cinema é um clássico com honra

Se o mundo fosse tão fácil de segurar em suas mãos...

Outro dia uma tia minha me perguntou: "Fê, qual o seu filme predileto?". De imediato não respondi, falei que não sabia. Mas então essa pergunta ficou na minha cabeça durante o dia todo. "Qual seria o meu filme predileto?". Depois de horas e horas, cheguei a uma conclusão: Meu filme predileto é sem dúvida alguma Tempos Modernos do Charles Chaplin, um dos meus diretores e roteiristas favorito. Mas eu só tinha assistido Tempos Modernos e O Circo (o qual não lembro mais de nada) de Chaplin e O Grande Ditador eu tinha alugado há muito tempo, porém nunca tinha assistido inteiro. Hoje eu assisti...


A história é sobre duas pessoas: um ditador, Adenoid Hynkel (interpretado pelo Chaplin) e um barbeiro judeu (também interpretado pelo Chaplin). O ditador é uma versão Hitleriana do Chaplin, o qual a sátira é essencial e cômica. O barbeiro é nada mais nada menos do que os antigos personagens de Chaplin que nos fazia rir e sorrir: uma pessoa totalmente desajeitada e distraída que se apaixona por uma mulher. Num certo momento do filme, a vida dos dois vão se cruzar e é nesse momento que o filme atinge seu ápice.


Se esta não é mais uma obra-prima deste grande diretor que é Chaplin, eu não sei dizer o que é. Com certeza é um dos melhores filmes já feitos, sem dizer que o Chaplin ainda teve a ousadia de fazer a sátira em plena Segunda Guerra Mundial (a famosa cena do globo? Alguém?). Algum outro diretor se atreveu a gozar da imagem de Hitler nesta mesma época? Creio que não. Anos depois sim, como vemos em Primavera para Hitler, Os Produtores e Bastardos Inglórios, mas foi Chaplin que começou e começou com um pé direito tamanho mil.

Sem falar que este foi um dos maiores desafios do diretor. O Grande Ditador é o primeiro filme inteiramente falado do Chaplin, e, para as pessoas que o conhecem muito bem, sabem que a grande graça de seus filmes era pelos gestos e pelas ações, já que o cinema era mudo. E Chaplin não faz feio com o som: mantém os gestos e ações e ainda consegue acrescentar uma imitação belísimamente sarcástica do Hitler (afinal o cara ficava gritando e ninguém entendia o que ele falava). E lendo algumas críticas, descobri que este foi o último filme com o famoso bigodinho de Chaplin, e, seu último filme com uma de suas ex-esposas Paulette Goddard (sua companheira em Tempos Modernos, sendo os dois juntos um casal maravilhoso nos filmes de Chaplin).


O Grande Ditador não deveria ser apenas obrigatório para as pessoas que amam o cinema, mas também para todas as pessoas. Somente o último discurso do Chaplin como o barbeiro, falando sobre um homem que luta pela escravidão e não pela liberdade, que pensa cada vez mais como máquinas e não como humanos, me deixou completamente arrepiado e se isso acontece com todas as pessoas, talvez, como ele mesmo disse, o mundo poderia ser um lugar melhor. Mas parece que isso só será uma esperança, a qual teremos que aguardar.

6 comentários:

Cristiano Contreiras disse...

Bela analise!

preciso rever este classico, ainda nao tenho em dvd! abs

Luciano Carneiro disse...

Adoro esse filme. Adoro o humor do Chaplin, meio malancólico, mas engraçadíssimo.

FELIPE G2 disse...

Obrigado Cristiano. Agora eu tambbém tenho DVD... pirata....

Luciano, meio melancólico? Acho o final bem melancólico. Engraçado como sempre este Chaplin...

Ricardo Martins disse...

Ainda não vi nenhum filme do Chaplin, não sei gostaria... Mas te pergunto alguém que gosta muito de filmes anos 90 e 2000, gostaria desse filme em P&B?! Se a história for boa e prender a atenção acho que sim. Você quando assistiu pela primeira vez um filme desses, também pensava que não iria gostar e gostou?
Uma dúvida!

ABRAÇO

FELIPE G2 disse...

Ricardo, como assim? Os filmes antigos são os melhores! Nunca tive preconceito com clássicos, mas de alguns filmes eu tenho (ver muito filme em preto e branco me deixa com dor de cabeça). Olha, não sei. Você pode gostar ou não. Amigos meus que adoram filmes dos anos 90 e 2000 adoram Chaplin...

rodrigo disse...

Valeu!!! Quando tiver oportunidade assistirei um Chaplin!