11 de dezembro de 2009

ABRAÇOS PARTIDOS- Será que consigo escrever sobre um filme do Almodóvar?

Um dos posters mais belos que já vi que vale a pena ver duas vezez numa mesma postagem...

-Safada sem vergonha, olha o que você fez comigo!-diz uma mulher que pegou sua amiga com o marido e que está tendo um ataque de nervos.
-Não pude resistir! Nós nos amamos! Me desculpa!- diz a amiga que está traindo a amiga com o marido dela.
-Desculpa? Toma isso!- e a mulher traída da um tapa na cara da amiga traidora, que acaba vira para o lado errado. A amiga traída aproveita e atira no marido e na amiga traidora.
Pareceu um dramalhão mexicano? Ótimo! Pois a principal fama de Almodóvar é de ser melodramático. E ele não fez diferente em Abraços Partidos. Melhor, fez sim.


Olha, a sinopse que eu tinha feito (baseada numa que eu tinha lido) simplesmente estragou a surpresa do filme. Então se você não lembra ou não leu, leia apenas esta. A história é sobre a vida de um cineasta, Mateo Blanco, durante 1994 e 2002. Em 1994, Mateo era um cineasta famoso e que acaba de escrever uma grande uma comédia: Garotas e Malas. Escalando os atores do filme, ele encontra Lena, a mulher de um homem rico, velho, viciado em sexo e podero. Não é novidade que Mateo se apaixona perdidamente por Lena e que começam um grande romance. Já em 2002 Mateo está cego e atende apenas pelo nome de Harry Claine e Lena não está mais presente na história. Será que consegui não estragar a história? Espero que sim!


Abraços Partidos tem alguns ritmos parados e com certeza não vai agradar a todos porque não são todas as pessoas que gostam de um filme melodramático, mas assim como os outros filmes do Almodóvar, as piadas que ele faz são muito engraçadas (como a cena da leitora de lábios e o final verdadeiro de Garotas e Malas), e o povo do cinema graças ao bom Deus corespondeu com a comédia do diretor. Mas a Penélope Cruz vale por todos esses ritmos quebrados, porque quando ela aparece pessoal, a sensação é simplesmente fantástica, e o ritmo quebrado parece que nunca existiu. É como os velinhos viam a Grace Kelly saindo de um filme: a coisa mais linda que existe. E então eu peço para vocês: posso contar uma coisa que aconteceu comigo durante o filme? Prometo que vocês vão rir muito! Posso? Lá vai:


Tinha uma velinha do meu lado que é como uma dessas velinhas que vai ao cinema: cheia de jóias até o pescoço e toda arrumada (meu amigo a chamou carinhosamente de "perua", mas prefiro não chamá-la assim). E em certo momento do filme a Penélope Cruz reclama para o amante (Mateo) que a droga do marido dela ficou 48 horas em cima dela e eles transaram 6 vezes. A velinha do meu lado simplesmente soltou um "nossa!" como se ela quissesse esse velinho para ela. Acho que eu nunca consegui tentei segurar tanto a minha risada. E depois da sessão eu e meu amigo, Luciano, esperamos nossa amiga, Rafinha, sair do banheiro feminino. Aí enquanto eu estava contado para ele sobre a velinha, quem me aparece saindo do banheiro? A maldita velinha! Só me ferro nesta vida? Eis mais um dos meus Momentos Bizarros...


Mas voltando ao filme, Abraços Partidos é mais um ótimo filme feito pelo grande (pelo que eu ouvi e até agora vi) Almodóvar (alguém me explica como este diretor consegue utilizar as cores tão bem em seus filmes? Por favor? As cores que o Almodóvar utiliza são simplesmente deslumbrantes!). E pessoal, este filme fala principalmente de cinema Hollywodiano (como mostra a Penélope Cruz vestida como Audrey Hepburn) e mexicano ( existem algumas referências que o Almodóvar faz aos seus filmes, mas não vi os outros filmes dele para falar alguma coisa, vi?).
E agora? O que fazemos enquanto esperamos seu próximo filme? Assistir os outros que eu ainda não vi, é lógico!

8 comentários:

FM disse...

Acho que este vai ser meu primeiro Almodovar.

Luciano Carneiro disse...

Ah, Felipe, FM, todos vocês que não são completamente felizes e não sabem, rs, nenhum cinéfilo é um cinéfilo completo sem ter visto nenhum Almodóvar. Gente, não custa nada: vão até a locadora, baixem, sei lá. Almodóvar é o que há; é cinema de emoção e paixão. O melhor diretor em atividade (e um dos melhores de todos os tempos? Por que não?). Amei Abraços Partidos, tão maravilhoso quanto seus últimos cinco filmes (Carne Trêmula, Tudo Sobre Minha Mãe, Fale com Ela, Má Educação e Volver). Uma homenagem ao cinema clássico, uma homenagem ao cinema primordial de Almodóvar (principalmente de sua era kistch, com uma releitura de Mulheres à Beira de um Ataque de Nervos). Um hino de amor à Penélope Cruz, uma trama de obsessão e tragédia. Clima delicioso e divertido, às vezes mais pesado, quase noir. Uma mistura de gêneros e cinemas. O melhor filme do ano, com certeza. Não percam!
Obs: escrevi sobre ele no meu blog, pra quem quiser. www.cineeeu.blogspot.com

FELIPE G2 disse...

FM, assista primeiro Má Educação. Acho que pegar Abraços de primeira é um bom risco....

Luciano, lógico que eu sabia que você iria comentar (modesto). Sim amiginho, eu vou assistir esses filmes do Almodóvar, então relaxa, respira e tenha boas férias e um feliz ano novo (lembre-se que seus DVDs estão comigos. HaHaHa! [risada maléfica])...
Ah! Tudo que você falou sobre a Penelope Cruz: concordo!

Luciano Carneiro disse...

Ah, só uma coisinha de nada: os filmes do Almodóvar são espanhois, não mexicanos. Tudo bem, acontece esse tipo de confusão. Espero mesmo que você veja TODOS os filmes dele, de suas comédias kistch (certeza que você vai amar Maus Hábitos) a suas maravilhas atuais. Fica a dica. ;D

Johnatan disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
FELIPE G2 disse...

Luciano, eu sei que os filmes dele são espanhóis, mas normalmente vemos essas novelas mexicanas do SBT que tem todo esse melodrama....

Johnatan, olá! É bom saber que você ainda vive! Vai voltar com o blog? Espero que sim...
Mas voltando ao Almodóvar, como eu vi apenas Má Educação, todo esse melodrama é novo para mim. Sério que você não gostou tanto de Bastardos? Eu simplesmente adorei! (tudo bem que dos filmes do Tarantino só vi Kill Bill e falta assistir Pulp Fiction que tá aqui em casa do meu tio...)

Johnatan disse...

nossa senhora!!!! escrevi besteira...o que a falta de um ponto não altera na fala. TENSO
hasuhasuas....
apaguei e escrevi de novo...vai parecer que vc tá ficando doido e falando sozinho mas...

"Não gostei nenhum pouco.
Acho que Almodovar está insistindo demais no melodrama e no kitsch.
já passou da hora dele se renovar,o seu cinema não cresce,algo que não acontece com o de Tarantino ou de Paul Thomas Anderson, com Bastardos e Sangue Negro. Abraços Partidos vale por várias cenas, mas como um todo não me agradou muito.
Ele renova repetindo,é nessa tecnica que ele está se aprimorando. como Argento que em sua carreira inventou, refinou, e nos ultimos filmes acabou caindo de qualidade.
Mas eu amo muito Almodovar =)"

huashuas...eu amei Bastardos!!!e assista urgentemente Pulp Fiction (meu segundo filme preferido).

FELIPE G2 disse...

Johnatan, ah tá! auhauhauha. Não se preocupe, verei Pulp urgentemente!