12 de janeiro de 2010

DANÇANDO NO ESCURO- O ataque de Lars já ficou repetido. Pelo menos comigo

Mesmo com esse rostinho lindo da Bjork, Lars não me engana


Não sei se vocês conhecem um diretor chamado Lars von Trier, conhecido por muitos e desconhecido por outros mais. Ele é o diretor do filme Dogville, que meu amigo Luciano falou para assistir. Gostei de Dogville, e assim que falei pro meu amigo o que eu tinha achado do filme ele me indicou Dançando no Escuro (filme do mesmo diretor), que é um filme que "se você não chora você não é humano", de acordo com ele. Bem, sendo assim, não sou humano (pois não chorei), mas achei o filme mediano, embora muitas pessoas amem o filme de paixão.


A história de Dançando é bem dramática mesmo: uma mulher tem uma doença genética que faz com que ela perca a visão de acordo com o tempo. Mas isso não é o pior: como a doença é genética, o filho também a possui. Sendo assim, ela trabalha duro na fábrica para poder realizar a cirurgia no menino para ele não ficar cego no futuro. O problema é que seu vizinho está com problemas financeiros, e, assim que descobre que ela possui uma quantidade boa de dinheiro, tudo apenas vai de mal a pior. Mas ela possui um refúgio que utiliza nos momentos mais desesperançosos: sonhar que está num musical (uma idéia que sempre usei, afinal eu não canto nada, mas eu canto muito!).

Dançando é um filme de arte. Saiba disso antes de tudo. Se você não gosta de filmes desse tipo, nem perca o seu tempo. Dependendo do filme de arte, por exemplo, eu gosto (como 2001: Uma Odisséia no Espaço), mas em certas ocasiões a arte é apelada. E isso foi o que senti em Dançando. Como a personagem sonha que está num musical, as músicas encaixadas em certos momentos parecem forçadas (como a música da fábrica), porém em outros ficam em pleno sincronismo com a história e às vezes fica bonita (como a música I've Seen It All que ficou perfeita!). Mas ao contrário de muitos musicais, o filme é muito melancólico. Cabaré, por exemplo, é triste, mas as danças e os ritimos são tão rápidos que nós até ficamos alegres enquanto a Liza canta que ninguém a ama e que talvez um dia alguém a ame. Mas Dançando tem letras muito tristes, ritmo lento e coreografias deprimentes. Acho que é o primeiro "musical" trsite e pesado que vejo em minha pequena vida. Mas a atriz, Bjork, está de parabéns: incarnou a personagem perfeitamente.


E calro: se você não conhece o Lars eu vou praticamente resumir a maioria dos temas de seus filmes: anti-América (ou mais educadamente: euodeioosestadosunidosetudooquevemdelá. com). Lars simplesemente destesta os EUA (embora nunca tenha visitado o país), tanto que seu filme Dogville (lançado depois de Dançando) é o primeiro filme da triologia U.S.A- Terra das Oportunidades, uma triologia toda falando mal dos EUA (imagine um filme com ele e o Michael Moore. Uma crítica bombástica). Se eu tivesse assistido Dançando no Escuro primeiro, talvez eu não teria gostado de Dog. Sabe por quê? Porque Lars se foca nos EUA, mas o que ele não sabe é que os imigrantes são tratados do mesmo jeito em vários lugares do mundo, isso porque existem diversos tipos de pessoas. nesta bola grande e molhada chamada Terra (até hoje não entendi o nome do nosso planeta. A maior parte é água!). Afinal, quando vamos para um lugar novo, ou a pessoa que nos recebe é bem carismática e simpática ou simplesmente não olha na sua cara. Isso é em todo o lugar, não apenas nos EUA. E dúvido que no país do querido Lars seja diferente.


Com muitos admiradores, eu não me impressionei muito com Dançando (em relação ao tema repetido do diretor), mas gostei da atuação da atriz e da parte da dedicação da mãe e sua amizade com as pessoas da fábrica. Sem falar que o filme é bemmmm (assim mesmo) dramático e com uma história mega-pesada, ou seja, cuidado pessoas-que-choram-fácil-e-peguem-seus-lenços. Mas esta é minha opinião. Muitas pessoas admiram este filme. Quem sabe? Talvez eu reveja o filme e pense novamente sobre ele, mas isto é o filme à primeira vista, mas não me apaixonei.

12 comentários:

Ricardo Martins disse...

Na época que eu era viciado em MTV, e assistia o extinto CineMTV, vi falar demais desse filme devido a cantora Bjork o fazer! Já vi a cena do trem, achei até legalzinha!

E já não gostei desse odeio o EUA! Todos os lugares tem seus defeitos e qualidades! Uma coisa é a política ou a justiça do lugar, mas o país inteiro?!


Diferente do Felipe, Confesso: um bom drama me emociona fácil,fácil! Tipo o recordista que mais me tirou as lágrimas foi: Menina de Ouro!

Qualquer dia assisto Dançando e Dogville!

Abraço

Luciano Carneiro disse...

Bom, voce sabe que eu amo, é meu filme-recorde de choro, considero-o uma obra-prima. Ah, por favor, me explica o que é filme de arte, porque até hoje eu nao sei... Tudo bem voce nao ter gostado e nao ter chorado. Ok. Mas uma coisa que me chamou a atencao é a parte que voce fala dos EUA. Em todo lugar do Planeta é assim, a gente nao pode generalizar?! Nao podemos criticar a América querida porque o que acontece lá pode acontecer em qualquer lugar? Putz, discordo, discordo, discordo. Voce fala mal pacas do Brasil e defende os EUA e o sonho americano? To comecando a perder o respeito, hein? rs... Nao, brincadeira. Cada um com a sua opiniao, mas, hum... Veja outros filmes do Michael Moore. Acho que voce pode mudar de opiniao.
Life is good in America... if you are white in America!

Luciano Carneiro disse...

Ah, eu até ia te recomendar Manderlay, Anticristo e principalmente o impressionante Ondas do Destino, mas, depois dessa... acho que vc vai odiá-los.

Felipe Guimarães disse...

Ricardo, sabia que eu nunca tinha ouvido falar nela antes?
Não, é legal criticar e mostrar o lado sujo dos EUA, mas isso que ele critica acontece em todo lugar.
Ricardo, sabia que eu quase chorei em Marley e Eu? Foi bem por pouco...

Luciano, mas eu falo mal de qualquer coisa que não seja boa (dã). Ah! Sabe aquela merda de filme "Turistas" que fala mal do Brasil? Odeio. Sabe por que? Porque além de não saberem como é o Brasil (assim como o Lars não sabe como é os EUA) essa coisa de immigrante acontece em todo lugar (o albergue é outro exemplo: dorgas, sexo, pessoas não muito legais. Onde não existe isso?).
Eu não acho o EUA o melhor lugar do mundo, mas não posso negar que certas coisas que ele tem, gostaria que no Brasil também tivesse (como a cultura musical, a tecnologia, congresso barato, impostos pequenos), e tem coisas no Brasil, como a comida e as pessoas, que raramente vc consegue achar em outros lugares (pelo que me falaram).
Dançando não msotra um lado obscuro dos EUA (poluição, roubo nos Congressos dos EUA), mostra apenas como a imigrante é recebida no país, o que pode ser em qualquer lugar...

Felipe Guimarães disse...

Ah! Esqueci de falar: ainda quero ver os filmes dele. Mas seria bom se ele depois de atacar os EUA, atacasse os outros lugares, como Inglaterra, França, os países pops...

FM disse...

Juro q naum sabia q este filme era um musical...

Bom, não sei se verei pq tenho medo da Bjork...

E tb não sou um simpatizante dos EUA.

E concordo com a citação do Luciano de WSS.

Ricardo Martins disse...

Quase chorou... Aquela cena em que o Marley está desanimado, caído debaixo da árvore, a Jennifer olhando para ele pela janela e até o último minuto dos créditos finais!

Não preciso nem falar (...)

Agora queria ler o livro

Ops: a conta do irmão no Google estava aberta, por isso postou no nome dele! iii!

Abraço

Luciano Carneiro disse...

Ok, Felipe, voce é de extrema-direita, isso eu já tinha sacado desde o post do filme do Lula. Prefiro não discutir, rs...

Felipe Guimarães disse...

FM, não é bemmmm um musical, porque (acho) que não tem intenção de ser um...
Tb concordo com a citação do luciano, mas acho que isso é em qualquer lugar...

Ricardo, nosso, no enterro foi quase!
O filme é bem melhor, acredite. Ainda esotu lendo o livro, deopis eu posto...

Luciano, não sou extrema-direita, sou democrático: todos são iguais perante a lei. Não tem discussão....

kah disse...

Acho esse filme fantástico. Proibido para pessoas que sofrem de depressão.

Felipe Guimarães disse...

kah, realmente...

keenan-Kw disse...

Para aqueles com depressão este é um dos filmes que jamais deve ser assistido! Para mim é uma obra de arte, do começo ao fim.. Mas deveria ter um aviso antes de começar o filme para aqueles com problemas sérios de depressão! (mas quando vc diz sobre apelação.. até entendo teu ponto de visão!)