10 de março de 2010

HAIRSPRAY- O diretor não impede a peça de ser grande!

Simone! Não vamos parar!

Como vocês devem saber pessoal, eu não assistia uma peça musical há muito tempo. Antes de Avenida Q, eu só tinha assistido A Bela e a Fera de 2002, quando eu era bem pequeno. Agora, não paro de ir ao teatro e, ouço meus pais reclamando por causa disso, tanto que essa semana vou novamente ao teatro, desta vez para assistir o meu tão esperado Despertar da Primavera. Mas semana passada, fui assistir Hairspray.


A história, se você já assistiu ao filme, é a mesma: uma menina gordinha, Tracy, decidi participar de um programa de televisão da cidade de Baltimore, sua única oportunidade de se tornar famosa. Com esse pacote, ainda temos a pessoa que rouba a cena, sua mãe Edna, interpretada por homens em todas as versões (cinematográfica e teatral), temas como racismo e beleza interior e onde se você sonha grande é a mesma coisa que pensar grande.

Agora vamos a peça em si: é maravilhoso! Os cenários, as perucas, o figurino, a história, as vozes, é tudo simplesmente fantástico esuper agitado! A história nunca para (claro, se você odiar musicais é a mesma coisa que apontar uma arma na sua cabeça e te obrigar à assistir, como em todos os musicais ou gêneros que você não gosta e é obrigado à assistir). As únicas falhas são causadas pelas ideias do diretor/roterista/ator/produtor/qualquer coisa relacionada à peça, Miguel Falabella.


A escolha para Danielle Winits e Arlete Salles foi horrível. Ambas as atrizes têm um vozeirão bélissimo, que caberia muito bem como Velma de Chicago (olha só! A Danielle fez esse papel, e muito bem), ou Sally Bolles de Cabaré, o que explica a falha enorme: para as personagens da peça, Amber e Velma, as vozes devem ser agudas e capazes de atingir notas altas, ou melhor dizendo, voz de taquara rachada, o que ambas não tem.
Outra coisa que fiocu ruim foi a personificação do Falabella dos personagens Wilbur e Corny Collins, transformando ambos em personagens patéticos e sem graça alguma.


Mas com certeza a pior falha do Falabella foi a tradução. Ok, de algumas músicas você concorda que ficou muito bom, como por exemplo, "Eterno pra Mim". Mas pessoal, "Eu escuto sinos"? Ficou horrível! "Sinos a Tocar", "Ouço Badalar" seriam melhores do que essa "coisa" que ficou, para não falar de modo mais grosseiro. Mas essas traduções horríveis do Falabella permanecem pela peça inteira, mesmo que em pequena escala. Já "Sinos"... sem comentários.


Mas voltando aos pontos positivos, vamos as atuações. O Jonatas Faro continuou fazendo seu papel de galão que fazia em Malhação, mas nem se compara uma atuação da outra, sendo a de Hairspray muito melhor. A mesma coisa para Arlete Salles, que embora tenha uma pitada de Copérlia, já se desfez de seu papel da sitcom Toma Lá Da Cá. O ator que faz o Corny infelizmente não me pareceu muito carismático, mas o pior mesmo é que em todas as suas canções eu não entendi nada.
Mas de todas as personagens da peça, quem rouba mesmo a cena é a Simone e o Edson, sendo Tracy e Edna respectivamente.


Eu que não dava a mínima pro Edson me surpreendi, e muito. Além de atuar muito bem, ele canta pra *** (vocês entenderam)! Ele fez uma perfeita Edna, carismático e super-engraçado. Simone também fez uma perfeita Tracy sendo melhor que a da Broadway! A Simone canta bem melhor, sem aquela voz de taquara-rachada-que-irrita da Tracy do elenco original da Broadway! E a mesma coisa vale para o nosso nacional Edson!


Sendo assim pessoal, Hairspray tem muitos pontos negativos, mas esses podem cair facilmente com todo o pacote que a peça contém. Mas só para avisar à todos de São Paulo: o Teatro Bradesco, onde está passando a peça, tem uma orquestra negativamente altamente sonora. Negativamente porque não dá para ouvir as vozes dos atores (claro, se eles não tem um vozerão, como a Simone, o Edson, a Graça Cunha, não dá para ouvir mesmo). Sendo assim, uma boa dica é assistir ao filme antes de assistir a peça. Afinal, ambos valem a pena.

4 comentários:

FM disse...

Não li ainda... Só postei um comentário pq vc reclamou no Twitter... uahauauau

Amanhã eu comento direito... =P

Felipe Guimarães disse...

FM, auhauhua, ainda estou no aguardo (uahuahuah, não precisa. Já sei todo a sua opnião sobre a peça)...

FM disse...

Pois é...

Mas só para ressaltar, concordo contigo sobre as péssimas escolhas do elenco e sobre as versões lamentáveis.

Mas a peça é tão animada e as escolhas certas do elenco são tão boas que, mesmo com falhas, Hairspray é imperdível.

Felipe Guimarães disse...

FM, concordo plenamente! Tem essas falhas, mas é impossível não gostar da peça (claro, se você gosta do gênero..)!