17 de abril de 2010

GORDA- Uma comédia dramática feita para pensar... ou pelo menos era para ser


Como essa carne é boa... Quero dizer, peça...

Pessoal, vocês não acham que este ano o blog está muito teatral? Mas é fato pessoal: os teatros estão mais interessantes do que ir ao cinema ultimamente. Uma Noite fora de Série? Assistirei em DVD. Caçador de Recompensa? Não, obrigado. Agora, dos filmes em cartaz os mais interessantes parecem ser As Melhores Coisas do Mundo, Ilha do Medo e desejo ver Chico Xavier. Mas vamos comparar com o conteúdo teatral: O Rei e Eu, Cats, Hairspray, O Despertar da Primavera, Meu Amigo,Charlie Brown, entre outras peças (e essas são só musicais). Mas destas peças, eis uma que não-musical e que tem um belo conteúdo: Gorda.


A história é sobre Helena e Tony. Ambos se conheceram num restaurante durante a hora do almoço. Tony olhava meio torto para Helena, pelo fato dela ser acima do peso. Mas depois de conversar com ela, ele descobriu que eles são praticamente almas gêmeas! Ela adora filmes de ação e diversas coisas que ele também gosta. O problema é o conflito que o casal terá que enfrentar: os colegas de trabalho de Tony, entre eles sua ex-namorada Joana (essa que é tão magra quanto um palito de dente) e seu amigo Caco (que mostra claramente os "chapas" que algumas pessoas têm. Eu conheço vários do tipo "Caco").


Pelas fotos vocês já devem ter reconhecido a atriz Fabiana Karla, que faz a famosa "gorducha" do Zorra Total (se ano passado já não estava bom, este tá pior ainda com o quadro dos bebês). E como eu já disse antes pessoal, ator só é ator quando faz teatro, e claro, bem feito. Pois é exatamente isso que acontece em Gorda com a Fabiana. Envolvida com um texto dramático e cômico, ele consegue ir muito bem. Michel Bercovitch então está excelente como Tony, sempre tentando se esquivar das palavras que podem insinuar que Helena (Fabiana) esteja acima do peso.


Acho que a única coisa pela qual eu posso reclamar (não pessoal, não sou um "reclamão" como meu pai. Me livrem disso! Mas é porque é grave e meus amigos concordaram): entre um dos atores que eu não posso falar o nome (Flávia Rubim, cof cof), embora seja uma atriz muito boa, ela se esqueceu do primordial: não ficar de costas para o público (claro, se isso não faz parte da trama). Quando ela contracenava com Tony (Michel) em certos momentos ela ficava de costas e a voz dela ficava abafada.


Mas com certeza Gorda ainda não está preparado para vir ao Brasil, ou pelo menos para SP. Sabe por quê? E nisso meus amigos concordam também: o amigo de Tony, Caco (Mouhamed Harfouch), fala muitas piadas contra gordos. Mas o problema é que quando ele se abre e até o ator começa a chorar pela "vergonha" que ele tinha com sua a mãe-gorda, o público ri. Eu fiquei pensando: "Meu Deus! Era para ser uma cena tensa e está todo mundo rindo! Será que eles não entenderam? Será que eles pararam pra pensar? Acho que não". Mas com certeza a cena mais tensa é a última, na praia. E... Eu não vou contar nada! Só assistindo para saber!


E o preço está bem justo: 30 reais. Ok, como gosto de musicais eu com certeza iria prefirir ir num, porém ainda é bom ver uma peça sem músicas e com um belo drama, e isso que é Gorda. E por favor! Se você for assistir a peça por minha causa (ra! Como se isso fose acontecer), deixe seu comentário aqui! Quero saber se meus amigos e eu fomos os únicos que não riram e que ficaram tensos. Sinceramente, não entendo mais o público de SP que vejo nos teatro...

7 comentários:

FM disse...

Já fui a uma peça q tb mesclava drama com comédia e as pessoas achavam que tinham q rir toda a hora, mesmo em momentos tristes.

Peça interessante... Vou confessar q já passei por isso.

Luciano Carneiro disse...

"Gorda" foi escrita pelo Neil LaBute, cineasta (e dramaturgo) americano que eu gosto muito. Gostei bastante da peça, mas não muito da reação do público. Pra mim ta mais pra drama do que pra comédia. Eu chorei na última cena.

Felipe Guimarães disse...

FM, é horrível, não? Um assunto tão sério assim ser levado pela graça... Não é muito agradável quando não é para ser engraçado...

Luciano, ele também é cineasta? Novidade! Realmente a reação do público foi mais do que estranha. Sim, também acho que está mais para drama...

Luciana disse...

"As Melhores Coisas do Mundo" é bem legal! Fui assistir hoje.
Tem certos temas tipo descoberta do sexo, do amor, homossexualidade e suicídio (lembrei tanto do "Despertar"! Hehe), enfim, acaba sendo bem real, baseado no fato de que (quase) tudo pode acontecer sim numa única família, resposta pr'aquelas horas em que a gente se pergunta "Meu deus! Mas porque acontece só comigo??"
Só achei meio forçado em algumas partes. Por exemplo, quiseram dar um ar bem "Gossip Girl" no filme, sei lá. As fofocas chegam a todos pelo celular e tem um menina que tem um blog no qual comenta sobre tudo que esta acontecendo no colégio.
Enfim, o filme é legal sim. Vale a pena assistir ;)

Felipe Guimarães disse...

Luciana, este filme está recebendo muitos elogios e estou com muita vontade de assistir... acho que vou dar uma conferida sim! Ainda mais agora que você falou que te lembrou do Despertar!

Anônimo disse...

Lembra um pouco,, por causa dos temas tratados. Mas
só.

Felipe Guimarães disse...

Anônimo, você está falando sobre "As Melhores coisas do Mundo", não? Estão falando tão bem do filme que preciso conferir!