15 de julho de 2010

DUPLA SESSÃO, DUPLA POSTAGEM- PONYO E CARTAS PARA JULIETA

Que coisa feia Felipe! Tô chocada!


Como se eu não fizesse isso nas férias, ou melhor, ainda mais nas férias! Foi difícil, mas consegui assistir dois filmes de uma só vez, do bom e velho jeito de sempre: mudando de sala. Mas isso que foi difícil: a sala era a mesma. Enrolar no banheiro não foi uma coisa divertida e um dos "carinhas" do cinema percebeu. Foi só ele olhar para o outro lado que meus amigos e eu entramos na sala. E assim, começou o segundo filme.

Porém, devo começar com o primeiro filme: meu tão aguardado Ponyo. O filme conta a história de uma peixinha, Ponyo, que decide sair de sua casa (no mar) e se transformar numa humana. Desse modo, Ponyo acaba conhecendo o menino Sosuke e cria uma grande amizade. Porém, para se tornar uma verdadeira humana, a peixinha tem que desistir de seus poderes, e, sem desistir de seus poderes, a vontade de Ponyo pode acabar com a Terra.


Nem me diga que Ponyo é A Pequena Sereia japonês. Nem eu nem o diretor, Hayao Miyazaki, gostamos da comparação que sempre fazem com o diretor, falando que ele é o Walt Disney oriental. Primeiro: Ponyo não é um musical dos nossos clássicos filmes da Disney. Segundo: o Hayao consegue criar coisas absurdas, mesmo que o filme seja baseado numa obra. E acho que foi por isso que não amei Ponyo: faltou toda a maluquice e magia que os outros filmes que o Hayao fazia como A Viagem de Chihiro, O Castelo Animado e Meu Vizinho Totoro. Mas não é por causa disso que o filme é uma catástrofe. Apenas não é tão mágico quanto os outros filmes do diretor, mas ainda assim é muito bom. Além disso, o filme fala sobre a natureza humana e como os humanos destroem a natureza com um simples comentário de um dos personagens: "Nossa! Como os humanos são criaturas nojentas!". Não é uma obra-prima, mas é ótimo! Se você for começar a assistir os filmes de Hayao, não comece por Ponyo. Minha dica é começar por Meu Vizinho Totoro! E depois Chihiro! Mas voltado ao assunto...


O segundo filme infelizmente foi Cartas para Julieta. A história é sobre Sophie, uma menina que está noiva, e que junto com seu noivo, Victor, fazem uma viagem para a Verona, Itália. Lá, Sophie acaba conhecendo as "Secretárias da Julieta", mulheres que respodem as cartas que as mulheres colocam nas paredes da "Casa de Julieta" (ou algo assim. Não me lembro o nome da casa). Sophie então responde uma das cartas e a mulher, uma senhora de idade, retorna para Verona e busca por seu perdido verdadeiro amor, mesmo estando acompanhada de intragável neto.


Se você não assistiu nenhuma comédia romântica nos últimos cinco anos ou adora filmes do gênero, recomendo que você assista Cartas para Julieta. Do contrário, você não irá se surpreender. Típica comédia romântica, mesmo que tenha uma pela fotografia. Clichês é o que não falta, e como a história não tem nenhum aprofundamento, é quase impossível ter também um aprofundamento nas atuações (sem falar que pelo visto a Amanda Seyfried gosta de interpretar personagens com o nome Sophie). Meu Deus, como era boa a época de O Casamento do Meu Melhor Amigo e Uma Linda Mulher, que graças a Deus fogem dos clichês! E isso acabou de me dar uma ideia...

2 comentários:

Ricardo Martins disse...

Este "Cartas para Julieta" não me interessei nem um pouco. O motivo: nem sei bem! Mas...

Ponyo, eu não conhecia a história do filme, me interessei mais ainda! Pra falar a verdade, eu (vergonha agora) ainda não vi nenhum filme do Hayao Miyazaki, mas tenho por objetivo ver todos. Tenho certeza que vou me apaixonar por cada um!

A Viagem de Chihiro e Meu Vizinho Totoro são os que tenho mais expectativas!

E ah, esse negócio de comparações, é algo infeliz mesmo. O Walt Disney do Oriente... é cada uma!

Até mais.

Felipe Guimarães disse...

Ricardo, é... Cartas para Julieta não! Começa então por Meu Vizinho Totoro e Chihiro! Os melhores dele! Depois veja Ponyo!