2 de outubro de 2010

MÁ EDUCAÇÃO- A natureza Almodovariana

Pense duas vezes antes de usar o banheiro


Foi pura coincidência, mas foi: a semana do blog por acaso ocorreu na mesma semana que chegou às locadoras o mais novo filme do Jim Carrey, O Golpista do Ano, que como eu já disse aqui no blog, não aprecio. Na verdade, dos filmes dessa semana, esses são os melhores gays que já vi! Até pensei em escrever sobre Aos Treze ou o filme que vi no último noitão (existe a postagem de The Ruanways, se você quiser conferir um romance lésbico), mas estes dois filmes não se comparam com os filmes da semana gay. E destes filmes, o maior de todos é Má Educação.

O filme fala sobre a história de um cineasta, Enrique, e seu amigo de colégio, Ignácio. Após anos sem se verem, Ignácio visita o escritório do cineasta com o roteiro de La Visita, que se baseia na infância dos dois amigos durante a época do colégio, sendo um dos padres (e diretor da escola) apaixonado por Ignácio. Porém a fase adulta do roteiro ficou por conta da criatividade de Ignácio. Através do roteiro de La Visita, a história ganha novos rumos e assim histórias diferentes acontecem, tanto na vida real quanto na ficção.

A melhor coisa sobre ler uma sinopse de Má Educação é que ela nunca está completa, exatamente pelo fato do filme tomar novos rumos a cada nova informação. E claro, por que não colocamos uma linda mulher, alta, magra, loira, de olhos azuis, com cara de Grace Kelly, para ser a protagonista ao lado de um homem, neste filme investigativo? Simplesmente porque não! Isso já foi mostrado! Almodóvar é invenção e renovação! Afinal, por que não ter uma história investigativa... gay?

E para os fãs do ator Gael García Bernal (nunca tinha visto tantos fãs dele como na minha sala! Se eu falar para os meus pais o nome do ator, com certeza pensarão que é algum tipo de pássaro. Mas continuando...), saibam que pra mim este é o melhor trabalho dele. O Crime do Padre Amaro, Ensaio Sobre a Cegueira, Babel, Cartas para Julieta, são os poucos filmes que vi do ator, porém em Má Educação, Bernal mostra porque é considerado um dos melhores atores vivos. E quem poderia dizer? O melhor trabalho do homem foi vestido de mulher (oh! Chamem a NASA! Que blasfêmia!). Na verdade a melhor coisa de Bernal é que no filme ele possui diversos personagens diferentes e consegue cativar e causar ódio ao mesmo tempo! Mas a melhor atuação é como o personagem de Zahara.

Claro, embora seja um filme noir e cheio de drama, existem as cenas cômicas que o nosso Almodóvar sempre faz (as mais marcantes para mim são: a dublagem sobre a traição em Abraços Partidos, e principalmente, a cena do teatro em Tudo Sobre Minha Mãe, uma das cenas mais inteligentes e engraçadas já feitas no cinema). A cena do sexo, no começo do filme, é para dar risada para cair no chão! A amiga de Zahara mesmo tendo uma pequena participação consegue cativar o público. E novamente: um personagem gay.

Misturando ficção com não-ficção, cheio de reviravoltas e com uma fotografia invejável que o diretor sempre faz, Má Educação é muito mais além do que um filme de detetive, casos, uma crítica contra a Igreja e o apoio ao homossexualismo: o filme é a obra perfeita sobre a natureza Almodovariana (sim, eu criei está palavra, assim como Creps para falar sobre a Saga Crepúsculo). Se existe uma obra na qual Almodóvar defende as suas ideias, esta é Má Educação. Porém, nada se compara com Tudo Sobre Minha Mãe, o melhor filme de um dos melhores diretores contemporâneos (e gay) vivos, ao lado do nosso Tarantino. E lembrando sempre pessoal: comentem!

5 comentários:

alan raspante. disse...

Já tem um tempo que vi este filme, preciso revê-lo, mas, lembro muito bem da história avassaladora e da ótima performance de Gael. Filme realmente maravilhoso!!

Luciano Carneiro disse...

Adorei o texto! Sou suspeito pra falar, porque Almodóvar é minha vida, já vi tudinho dele. Posso garantir que Má Educação está no top 5. Almodóvar não se restringe a simplesmente homenagear os noirs, como fazem muitos cineastas por aí, ou a recontar a mesma tramóia em época diferente. Ele recria, reinventa, brinca. Tudo com a mais absoluta paixão. Os filmes do cara tem gosto, tem cheiro; é cinema em sua essência, de emoções, quase apalpável. Enfim... Não deixe de ver Fale com Ela e Carne Trêmula, duas outras obras-primas. Sobre o Gael García Bernal, recomendo fortemente Tudo Sobre Minha Mãe e, principalmente, Amores Brutos. Este último é realmente soberbo; no nível de um Almodóvar. Não encontro elogio maior.
Abraço!

FM disse...

Esse filme tá na minha lista há um bom tempo.


Já postei aqui e no blog do Luciano q ia ver um filme do Almodóvar, mas até hj num vi nenhum.

S disse...

Com ctz o melhor trabalho do Gael! Vi a algum tempo já esse filme, muito bom!To precisando rever...

Felipe Guimarães disse...

Alan, um filme maravilhoso! Já assisti de novo, agora que comprei o DVD, umas três vezes!

Luciano, hahaha, sei que Almodóvar é a sua vida! Má Educação é meu segundo filme favorito dele, mas primeiro vem Tudo Sobre Minha Mãe! Concordo com tudo que você falou. O cinema do Almodóvar parece ser real! Parece estar perto de nós!
Quanto ao Gael, preciso ver esses outros filmes!!

FM, então assista, porque é um estilo de cinema que talvez você ainda não tenha assistido!!

S, assista sim! O melhor trabalho do Gael!