30 de novembro de 2010

SE PREPAREM PARA O SORTEIO DE NATAL!

Alguns de vocês já devem estar sabendo do famoso sorteio de Natal do Pra Ver, Ler e Ouvir (mundialmente famoso, claro!). Então é o seguinte pessoal: até domingo vocês podem indicar vários DVD's que vocês gostariam de ter, até a faixa de trinta reais. Após as indicações será feita uma enquete e o filme mais votado será sorteado no twitter (a pessoa vai precisar seguir o perfil do blog e o meu perfil). Boa sorte a todos e não esqueçam de indicar seus filmes! Quem sabe? Um de vocês podem levar mais um presente de Natal este ano...

28 de novembro de 2010

O ESCRITOR FANTASMA- Descobri meu problema com Polanski

E qual é?


Praticamente todo cinéfilo admira o Roman Polanski. O cara fez O Pianista (que eu acho um filme fraco e que meu amigo vai me matar por dizer isso, embora ele já saiba), O Bebê de Rosemary (que pra mim não funciona como filme de terror, mas um bom suspense), fez sua versão do clássico Oliver Twist e ficou conhecido também por seu famoso Chinatown. Então por que eu tenho tantos problemas com o diretor? Descobri em seu mais novo filme: O Escritor Fantasma.

A história do filme é sobre um ex-primeiro-ministro que decidi escrever um livro sobre as suas memórias. Porém, o primeiro-ministro não é um escritor e nem tem talento para ser um. Para isso contratam um escritor fantasma, um escritor que ajuda o primeiro-ministro a escrever um verdadeiro best-seller. Mas as coisas parecem fugir do controle e o escritor não sabe no que acabou se metendo.


A história até parece um filme normal, e é mesmo. Um grande acerto do Polanski é que ele cria uma bela tensão deixando nós como o próprio personagem sem conhecimento sobre o assunto, como se nós fossemos o personagem e estivéssemos vivendo o que ele está vivendo. A conslusão do filme também é perfeita! Não tinha outra saída a não ser aquela. Mas então, qual meu problema com o diretor?

Meu problema com Polanski é que ele cria essa tensão, mas não consegue fazer com que ela dure. O caso do escritor com a protagonista é um belo exemplo disso. Criou uma tensão numa primeira parte, mas ele não explica e nem retorna. Mas além disso, o filme tem duas horas de duração. Facilmente poderia ter sido cortado quarenta minutos do filme. Polanski demora muito para concluir tudo, ainda mais quando a tensão não dá certo.

Em questões de atuação, Polanski conseguiu fazer algo que eu nunca pensei que fosse possível: Pierce Brosnan está atuando muito bem em Escritor, algo que eu nunca vi e nem pensei que poderia existir! Polanski aproveitou a canastrice do próprio ator para compor o personagem. Como se diria: "é o papel de sua vida". Ewan McGregor também está muito bem, e ainda não sei como ele nunca foi indicado ao Oscar. Olivia Willians também está ótima. Resumindo: um ótimo elenco! Ainda mais com a participação da adorável Kim Catrall.

Sendo assim, recomendo que você assista O Escritor Fantasma, pois o que pode não ter me deixado com tensão pode fazer com que algumas pessoas fiquem se pendurando em namorados ou até mesmo chorar no colo da namorada. Não sei qual situação é mais bizarra e nem sei por que escrevi isso se o filme não é drama nem terror. Talvez seja melhor encerrar esse texto por aqui, para não ficar mais podre do que já está. Mas lembrando sempre: Comentem!

CASAR OU NÃO CASAR ?

Tá bom, vai ser do seu jeito!

Durante a reunião do Lérias e Lixos que aconteceu semana passada uma das discussões que surgiu foi casamento. Pra que casar quando é o amor que importa? Mas então por que não celebrar esse amor com um casamento? Nem que seja um casamento, mas pelo menos uma festa? Bem, por aqui vou falar o que eu penso.


Primeiro: acho que o sonho dos meus pais de me ver na Igreja esperando minha noiva é uma das probabilidades mais pequenas da minha vida. Primeiro porque eu odeio a Igreja, uma invenção do homem que diz estar agindo em nome de Dele. Acredito então apenas em Deus. Um casamento no civil com uma boa festa é o ideal. Gaste o dinheiro na festa e na viagem de lua-de-mel! São bem mais importantes para você e sua parceira ou parceiro. Segundo que nem precisar casar realmente precisa. O famoso "se juntar" já está de bom tamanho.


O problema mesmo é ter filho. Até fiz uma piadinha com os meus amigos que riram de mim pra variar. Falei: "Nossa, parece que tem ano que surge mulher grávida do nada!". Lógico, eles riram porque todo ano tem mulher grávida, mas pessoal parece que tem anos que as mulheres decidem engravidar. Tem um ano ou dois que não aparece nenhum ser vivo novo "em produção". De repente sete mulheres ficam grávidas ao mesmo tempo. Mas o problema não é esse. Eu pelo menos quero ter filhos. Três meninos. Será que alguma mulher hoje quer ter três filhos? Acho que não.


E outra coisa muito legal que discutiram: será realmente que o casamento é uma coisa arcáica ou com o passar dos anos acabou se tornando numa coisa mais... moderna? Depois de uma das falas dos integrantes do Lérias eu me convenci de que realmente é uma coisa moderna. Você se pergunta por que? É só ler a seguinte frase bem devagar: "Hoje só casa quem quer". Viu só? Ao mesmo tempo que casamento parece uma coisa bem antiga, tem a aparência de ser uma coisa bem nova.


Mas graças a Deus que eu ainda não preciso pensar nisso. Casar. Só quero pensar nisso com meus 26, 28 anos, porque morrer sozinho acho que ninguém quer. Mas será que realmente terei que me casar na Igreja ao invés de aproveitar uma deliciosa viagem? Tudo vai depender do que a patroa vai querer. Mas uma coisa já falo para ela: se for para casar na Igreja, que seja com o dinheiro dela (ou do pai dela, que é ainda melhor! Vou amar meu sogro).

MÚSICA DA SEMANA- 28/11

Falta de criatividade e tempo resultam-se em menos músicas da semana, mas espero que a partir desse fim de semana eu consiga minhas férias (graças a Deus!). Mas como essa semana teve o show do Paul e minha tia avó faleceu, gostaria de dedicar essa música a ela. Então vamos lá!

Leti It Be- Paul McCartney

26 de novembro de 2010

PRÉ-ESTREIAS: MAMMA MIA! EM SÃO PAULO

Lá vamos nós de novo?



Muitas das pessoas que gostam de musicais, em especial as mulheres com idade superiora a 40 anos, estão extremamente desesperadas para assistir Mamma Mia!. Tenho certeza que muita gente vai falar: "Ah, como você é preconceituoso! Tá falando que só velha que está indo assistir Mamma Mia!?". Claro que não meu caro leitor, mas a faixa etária para esse musical é por aí, já que o pessoal dessa idade é muito fã do ABBA. Mas isso não quer dizer que pessoas de outras idades não possam ir, porque a verdade é que irei nessa quarta-feira, dia primeiro de dezembro, assistir ao espetáculo.

A história muitos de vocês já conhecem, então vou falar dos atores. Estou ansioso para rever Kiara Sasso (Médico e o Monstro, A Bela e a Fera), Saulo Vasconselos (A Bela e a Fera, Fantasma da Ópera), e conhcer novos rostos como Pati Amoroso, Cleto Bacci, e principalmente Andreza Massei, que está sendo muito elogiada pelo seu papel como Rose. Agora é só esperar pela peça, e em breve, um texto no blog!

23 de novembro de 2010

MODERN FAMILY- Uma série melhor que Friends?

Será mesmo?

Respondendo a pergunta do título em minha opinião: não. Friends é um clássico entre amigos. Porém, se Modern Family continuar sendo o que é, pode ter certeza que também será um clássico,e quem sabem, melhor que a série clássica. Na verdade, comparar séries de comédia é meio tenso, porque cada uma fala de um assunto diferente. Friends nem preciso comentar do que se fala. Modern Family fala das atuais famílias que vivem nos EUA. The New Adventures Of Old Christine fala da vida de uma divorciada em sua nova vida. Tudo depende de cada pessoa. É fácil escolher uma favorita, mas temos que ver se ela tem qualidade. No caso de Modern Family, a qualidade é quase absurda. É claro para o espectador como a série conseguiu evoluir apenas em duas temporadas. Os primeiros episódios da segunda temporada provavelmente me fizeram rir mais do que qualquer temporada de série de comédia, incluindo a minha favorita, Friends.


A história da série é sobre uma família (dã?). O avô (Jay) se casou com uma latina (Gloria, que tem um filho, Manny). Os filhos dele, Claire e Mitchell, são casados. Claire é casada com Phil e juntos possuem três filhos: uma filha in, uma filha nerd e um filho... Ok, não existe explicação para o filho deles, quem sabe, louco. Mitchell é gay e é casado com Cameron. Juntos eles adotaram uma menina.

por ler a sinopse, já se sabe que Modern Family realmente é uma novidade, mesmo parecendo tão clichê. A família gay, Mitchell e Cameron, era óbvio que tinha a maior chance de ser a família mais engraçada. A família de Gloria também, já que sua "pronúncia" e energia latina são simplesmente contagiantes. A família mais morna mesmo é a da família normal: mulher, homem e filhos.


Dentro das atuações, Sófia Vergara (Gloria), Jesse Tyler Ferguson (Micthell), Eric Stonestreet (Cameron), Rico Driguez (Manny) e Julie Bowen (Claire), são os que mais se destacam, principalmente os três primeiros, que fazem você rir sem parar. O episódio da pronúncia, do Hallowen e do bebê dentro do carro, mostra como Vergara, Ferguson e Stonestreet, respectivamente, são excelentes!


Então, pare de ler esse texto e vá agora assistir Modern Family. Mas claro, lembre-se depois de vir aqui e fazer um comentário. Ou, se você já assistiu a série, faça um comentário mesmo assim e diga o que você acha! Olha só para a Gloria nessa foto! Esse olhar simplesmente já diz tudo sobre o que ela pensa de Modern Family!

20 de novembro de 2010

HARRY POTTER E AS RELÍQUIAS DA MORTE: PARTE 1- Uma primeira visão de HP como filme

"Let the game begin"


Fiquei até surpreso de que a sala em que fui (Imax) não estava lotada. Na verdade é porque muita gente chegou atrasada e ficou na minha frente, e eu com uma vontade de matar cada uma daquelas pessoas, bem lentamente. Mas relaxei e continuei a assistir ao filme. Afinal, "é o começo do fim" como todo mundo está falando. E quando falo todo mundo, é todo mundo mesmo! Já ouvi isso no mínimo em sete lugares diferentes. Mas é a realidade: Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 1 marca o fim da maior franquia cinematográfica que já existiu, e que tornou sua autora mais rica do que a rainha da Inglaterra.

Nesse episódio, o jovem bruxo não irá para Hogwarts. Ele e seus amigos vão procurar as tais "horcruxes" que descobriram no episódio anterior (Harry Potter e o Enigma do Príncipe). As horcruxes são partes da alma de seu rival, Voldemort, que só morrerá se cada uma das partes for destruída. Assim, sem saber exatamente onde procurar, o que procurar e de que jeito, a aventura do trio começa. Além disso, Voldemort tomou posse do Ministério e um governo "nazista" começa no mundo bruxo.

Fiquei extremamente feliz quando vi os panfletos de "Sangue-ruins" na tela do cinema. Não fiquei feliz por isso, claro, mas porque o diretor pegou a mensagem do livro: Segunda Guerra Mundial. Esse sétimo filme de Harry Potter (assim como seu livro) é praticamente a caça aos sangue-ruins. Para quem estudou o assunto, dá para perceber que grande parte dos panfletos apresentados no filme são feitos no mesmo estilo que os panfletos nazistas.

Mas além disso, esse Harry Potter é como o Toy Story 3: é um filme dedicado aos fãs que seguiram o jovem bruxo desde o primeiro filme. É o primeiro filme "drama" da série. Antes viamos ação atrás de ação, acontecimentos atrás de acontecimento. Agora é realmente uma conclusão de tudo que já vimos. Todos os acontecimentos, feitiços, aulas, tudo está presente nesse sétimo filme (claro, tudo não, mas grande parte). E assim como a maioria dos dramas, Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 1 apresenta o roteiro mais estável de toda a saga, o que para alguns, resultou num filme "parado" e chato. Acredito que, em apenas alguns momentos, faltou um timming, mas nada que prejudique o filme.


Se formos pegar a atuação desde A Pedra Filosofal, a evolução dos atores é simplesmente algo magistral. Daniel Radcliffe mostrou que realmente sabe chorar em cena (nem me lembrem da cena que ele chora quando o Cedrico morreu em Harry Potter e o Cálice de Fogo. Simplesmente brochante!), e nos momentos certos, dá o melhor de si. Rupert Grint, depois de ser encarregado do humor de todos os filmes, finalmente ganha um valor a mais nesse filme, com seu personagem cheio de problemas e sua boa atuação. Agora, uma pessoa que não consigo engolir é a Emma Watson. Até tem um hora no filme, quando Ron vai embora, que ela fica boa. Mas quando ele volta, ela volta para sua atuação forçada de sempre (sei que muitos fãs vão me matar depois disso).

Sendo assim, como filme, acredito que Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 1 tenha começado o que pode ser um começo de "grand finale" para a saga do jovem bruxo. Porém, acredito que todos os diretores de Harry Potter, principalmente o David Yates, não se preocupam em fazer um filme marcante, pois sabem que já vai ser um sucesso. A cena da última morte mostrada no filme é comovente, tanto em livro quanto em filme (fazer minha irmã chorar não é fácil), mas a cena do enterro simplesmente é brochante. Dava para ter feito aquela cena marcante. Se Spielberg estivesse na direção desses últimos filmes...

19 de novembro de 2010

TRATAMENTO DE CHOQUE E SEXO? TUDO VISÃO DA SOCIEDADE!

Viva a sociedade alternativa!



"Hoje a sociedade pode estar mais aberta para falar sobre sexo, tanto que existem programas em redes de televisão aberta que falam sobre o assunto. Porém, ver um filme que fala sobre a psicologia do sexo em seu modo mais complexo ainda está longe de ser aceito pela sociedade que declara o filme como pornografia.


Além do exemplo do filme De Olhos Bem Fechados (1999), o recente filme do cineasta Lars Von Trier, Anticristo (2009), mostra a culpa do casal em fazer sexo, já que o filho caiu da janela durante a relação sexual do casal. A cena da personagem principal cortando seu clitóris para nunca mais sentir prazer foi considerada pela dona de uma locadora como pornográfica.


Por outro lado, um filme que fale de sexo como prazer, e o que fazer para melhorá-lo, a sociedade aprova. Dois exemplos são a série, que depois de tanto sucesso se tornou num filme, Sex And The City, e a obra cinematográfica Kinsey- Vamos Falar de Sexo?. Em Sex and The City, a personagem Samantha Jones, interpretada pela atriz Kim Cattrall, é praticamente uma amante do sexo e fala abertamente sobre ele com suas amigas. Em Kinsey- Vamos falar de sexo? o personagem principal, interpretado por Niam Lesson, fala de sexo do modo cientifico. Como vivemos numa sociedade científica, com uma visão cientifica, o filme é aprovado.


Numa determinada cena em O Povo Contra Larry Flynt (1996), o personagem verídico e dono de uma revista pornográfica acaba sendo caçado pelo governo norte-americano e colocado numa cadeira de rodas. Durante um discurso para a sociedade do século XX, uma sociedade libertina e que se diz moderna, Flynt demonstra que a sociedade acha o sexo feio, um tabu, mas que vê a guerra como algo patriota e honra. Nesse momento, Flynt mostra à sociedade norte-americana a censura sobre o sexo, do prazer, e a idolatria da guerra, da violência.


Assim, a sociedade atual não gosta de discutir sobre o lado mais complexo do sexo, que é a sua psicanálise e sua liberdade prazerosa, que acaba sendo vista como um tabu, ao contrário da violência, que é idolatrada e livre. De Olhos Bem Fechados (1999) levará ainda muito tempo para ser aceito como deveria ser pela sociedade, que no futuro poderá ver o sexo de modo mais abrangente.


em Laranja Mecânica (1971), o problema é o tratamento de choque, algo redondamente desumano. Em Réquiem Para um Sonho (2000), por exemplo, a personagem fica viciada em remédios para emagrecer, pois vai aparecer num programa de televisão. Assim que chega ao hospital é declarada louca e começam a realizar tratamentos de choque nela, sendo o verdadeiro problema os remédios que tomava. Assim, o tratamento de choque é visto como uma saída da sociedade para evitar o transtorno e o motim de seus pacientes.


Em Um Estranho no Ninho (1975) o único jeito que encontram para acabar com a natureza do presidiário Randle McMurphy, personagem interpretado por Jack Nicholson, é o tratamento de choque. Assim como em Laranja Mecânica (1971), a sociedade usa o tratamento de choque para acabar com o “mal” que vive dentro da pessoa, e acaba matando a sua natureza junto com ela. Além disso, em Um Estranho no Ninho, McMurphy não é louco, apenas finge ser. Mesmo sabendo a verdade, o hospital realiza o tratamento.


Embora Laranja Mecânica (1971) não possua um tratamento de choque em si, o tratamento Ludovico chega ao mesmo resultado. Ao invés de levar choques, Alex recebe remédios para assimilar a violência com o mal-estar. Mas, o resultado desse tratamento é o mesmo: a natureza da ultraviolência de Alex, assim como o uso da própria violência para se defender, é morta.


Portanto, o tratamento de choque usado de modo indevido na sociedade, não apenas traumatiza uma pessoa, mas também acaba matando a sua natureza, como é o caso do protagonista de Um Estranho no Ninho (1975) e isso, pela visão da sociedade, declara a pessoa como uma ameaça contra os seus dogmas, e assim extermina seu inimigo."


150 MIL VISITAS!!

Obrigado pessoal pelas 150 mil visitas! Cada vez mais o blog está crescendo, e espero, que a visão dos leitores também. Para comemorar, pensei numa postagem especial, e falando exatamente sobre isso: sociedade. E olha só? Minha monografia fala exatamente sobre isso! Então, a próxima postagem será a conclusão da minha monografia, que fala sobre o tratamento Ludovico do Larnja Mecânica e do erotismo de De Olhos Bem Fechados. Obrigado pessoal por esse presente! E que continuemos crescendo! Só faltou uma festa... Quem sabe num futuro?

15 de novembro de 2010

VIVA LOS USA?

Depois o pessoal não sabe porque eu odeio e critico tanto o povo norte-americano. Ok, gosto da cultura de lá (tanto que amo musicais), mas política e sociedade de jeito nenhum! Sei que existe muita gente assim aqui, mas lá é a maioria e pior ainda! E sei disso por experiência própria! "Viva los EUA"? Creio que não. A pior parte desse video é quando um cara fala em atacar o Brasil. Se ele conseguir achar a gente primeiro...

MÚSICA DA SEMANA 15/11

Faz duas semanas que estamos sem música da semana. Claro, tudo culpa minha. Mas pessoal, essa semana será um pouco tensa pra mim, pois além de trabalhos e mais trabalhos, estamos fazendo uma peça na minha escola. E adivinha só que dia que é? 18, essa quinta-feira. O mais legal é que a gente ainda nem ensaiou nem nada! Mas, vamos parar de falar nisso e aproveitar um pouco de música de qualidade...

Hollywood- Michael Bublé

11 de novembro de 2010

GLEE VOLTOU!

-A vá! Só agora que você descobriu?
-Claro que não! Leia...

Claro que Glee voltou com sua segunda temporada, e isso já sabemos faz um bom tempo, mas pessoal, o que estava sendo essa segunda temproada? Os episódios estavam muito jogados, as músicas não se encaixavam, não tinha enredo, ou seja, estava bem mal feito (e não me perguntem se gostei do episódio de Britney ou do Rocky Horror Glee Show, porque a respota é decepcionante, ainda mais que odeio o primeiro e amo o segundo). Isso estava acontecendo até o episódio de terça-feira. Esse episódio, pra mim, foi o que definiu o verdadeiro retorno de Glee à televisão, ou no caso, meu computador.

O episódio de ontem, não sei se vocês já viram, se chama Never Been Kissed, ou seja, "Nunca fui beijada/beijado. Nesse episódio conhecemos um possível namorado para o Kurt, vemos a Bestie sendo maltratada por sua aparência, entre muitas outras coisas. Mas o mais importante que deixou a qualidade desse episódio foram: as músicas (Start Me Up/ Livin' On a Prayer foi a melhor música até agora!), Daren Criss (será que finalmente Kurt achou alguém?), Sue (claro!), e a história foi muito boa! E as músicas encaixaram! E o inesperado que aconteceu (mas quando a cena acontece já dava para ter uma ideia do que acontece).

E pelo que parece, o próximo episódio de Glee promete. Sei que falo isso sempre, mas esse próximo parece que promete mesmo! Gwyneth Paltrow (ganhadora do Oscar de Melhor Atriz por Shakespeare Apaixonado) vai aparecer na série e Cantando na Chuva terá duas de suas músicas nesse episódio! Ou seja: nada melhor. Agora resta esperar!

10 de novembro de 2010

MAIS UM TWITTER...

Eu não sei como vocês descobrem quando tem uma novidade aqui no blog. Uma dica que já dei é a comunidade do Hairspray no Orkut. A outra é o meu twitter ( @felipegguima). Porém, como eu vejo que muita gente fica de saco cheio com minhas postagens sendo repetidas várias e várias vezes decidi fazer uma conta no twitter só do blog! Para quem quiser é só começar a seguir (@praverlereouvir). Beijos e abraços pessoal! Ainda estou bolando uma postagem, porque cinema tá difícil!

8 de novembro de 2010

ESSE MALDITO ENEM...

Burocracia mata viu?

"Eu estava lá". Lembra a frase daquela propaganda bem famosa da qual não lembro o nome? Pois é: "Eu também estava lá fazendo meu ENEM... E fiz parte da merda que deu". E Cristo do Céu, nunca vi uma coisa tão mal organizada. E eu fico pensando: isso não era apenas em São Paulo, isso era para o Brasil inteiro. Isso é um reflexo do nosso país, que mostrou sua burocracia para o público na hora de aplicar uma prova. E se numa prova ele faz isso, em certos casos é ainda pior.


Vocês que estão lendo por aí já devem saber dos cabeçalhos trocados da primeira prova e o gabarito. Pois é, mas o que vocês não sabem é que quando percebemos o erro na sala, a "moça" não deixou a gente abrir a prova. Perdemos 20 minutos que não foi reposto. Perdi a chance de terminar a prova e fiquei sem fazer 20 questões. Isso não é nem um pouco bacana. E não saber quando tempo falta para o acabar a prova, também não é bacana (burocracia fede). Na verdade, eramos informados apenas meia hora de acabar a prova. Fofos, não?


E então chegou o segundo dia. E lá fui eu de novo: sem lápis, sem borracha, sem relógio, apenas com roupa (só faltava roupa ser proibido também). E então começa o "barulinho": "Mancha! Macha!". E eu pensei: "Não. Isso não está acontecendo. Foco". E então os fogos de artifício foram soltos. Agora me explica uma coisa: tem uma lei que proibi os carros de buzinar na frente de hospitais, escolas, etc. Então, porque não proibíram duante 2 e APENAS 2 dias o uso de fogos de artifício? Ninguém vai morrer se ficar sem soltar!


Sendo assim pessoal, meu sonho de conseguir fazer uma faculdade esse ano foi por água abaixo e ano que vem é "nóis" cursinho. Juro, não poder usar lápis e borracha para fazer as contas de matemática à caneta e ter que voltar no início da conta porque errou alguma coisa e não pode apagar, não é tenso. É foda mesmo! E sem disponibilizar uma folha de rascunho para fazermos as contas. Como diríamos no twitter, este ENEM foi muito #fail.