28 de dezembro de 2010

TUDO PODE DAR CERTO- Allen repete a fórmula, mas dessa vez acerta

Ele só sabe falar mal de mim! Depois eu que sou o arrogante!


Vamos ver se sai um texto decente disso daqui, porque como muitos de vocês sabem eu não sou muito fã do Woddy Allen e é sempre difícil fazer um texto sobre seus filmes. Quer dizer, eu adoro Scoop: O Grande Furo, talvez por ser meu primeiro Allen, e quando digo "talvez por ser meu primeiro Allen" é simplesmente pelo fato de que todos os filmes do diretor terem se tornado cada vez mais repetidos. Gostei bastante de Hannah e suas irmãs, não gostei de Match Point (acho que de tanto o pessoal falar que era imperdível acabei menosprezando o filme), à primeira vista também não gostei de Vicky Cristina Barcelona, ou seja, pra mim tudo depende do "clima" do novo filme de Allen, já que todos parecem ter a mesma fórmula, só que com assuntos diferentes. E dessa vez, Tudo pode dar Certo, pra mim, foi um acerto do diretor.

A história é sobre um velho nem um pouco simpático, Boris, que não gosta de fazer muitas coisas na vida porque acha idiotice, já que ele se considera um gênio e gênios não fazem coisas idiotas. Numa noite ele encontra uma jovem, Melody, pedindo um lugar para ficar. Mesmo sem muita empolgação Boris acaba aceitando a jovem em sua casa e após algum tempo de convivência com Boris, Melody lhe diz que está apaixonada por ele.

Se teve três coisas que não gostei do filme foi o contato direto com o público, em alguns momentos bem efetuados e em certos momentos derrapantes, os diálogos machistas de Boris e o ator que faz Boris, Larry David (por mim Allen teria atuado nesse filme). Eu não consigo gostar desse ator em nenhum momento. Desde que vi a série do ator na HBO chamada Curb Your Enthusiasm eu simplesmente não consegui suportá-lo e ainda não consigo. Quanto ao fato de odiar os diálogos machistas de Boris, não sei se considero algo negativo ou positivo, porque me trazem um sentimento de raiva. Quer dizer, eu odiei o personagem de Boris porque ele retrata os velhinhos que se acham superiores que todo mundo e que são arrogantes com todos porque acham que merecem respeito só por serem mais velho e por isso se acharem mais sábios. Isso eu odeio! Pra mim existe tanto velinhos como jovens mal educados.

Mas se tem três coisas que eu gostei do filme são: o final de Melody e Boris (por mim ele teria morrido, mas o desfecho original também é muito bom e engraçado), a independência de Melody no decorrer do filme e da liberdade feminina que ocorre com Melody e sua mãe. Talvez, por isso, eu nem considere os diálogos de Boris tão importantes, já que no final de contas quem mostra realmente saber alguma coisa sobre a vida é Melody e sua própria mãe.


Sendo assim, talvez Tudo Pode dar Certo possa ser para você um filme agradável ou não. Afinal, já que os filmes de Allen possuem a mesma fórmula a única coisa que podemos gostar ou não são dos assuntos e de seus atores, certo? Não sei. Mesmo odiando Larry David eu adoro a Evan Rachel Wood. Vocês não sabem quem ela é? Ela faz a rainha de True Blood e a jovem de Across The Universe. Sei que não parece, mas isso é pelo fato dela ser uma excelente atriz. Pra mim ela é a verdadeira estrela do filme.

Nenhum comentário: