5 de janeiro de 2011

EU MATEI MINHA MÃE- Poderia ser o hino da adolescência

Viva a adolescência!


Caramba! Não paro de ver filme francês! Ok, Os Sonhadores não é francês, embora se passe na França e eles falem um pouco de francês (meio óbvio, né?). Mas As Canções de Amor, O Fabuloso Destino de Amélie Poulain... Ok, a lista não é tão grande, mas não sei por que aparenta ser. E agora mais um filme entra para essa lista. Mesmo feito no Canadá (na parte francesa do país), a influência dos franceses é quase gritante, sendo Eu Matei Minha Mãe praticamente um "típico filme francês".


A história é sobre um garoto de 16 anos, Hubert, que não suporta sua mãe. Suas ideias, seu jeito, seu modo de viver é completamente diferente do de sua mãe. Enquanto seu filho arde por paixão, sua mãe é completamente superficial, e quando a mãe arde por paixão seu filho é superficial, tendo os dois assim ódio em seus corações o tempo todo. A difícil convivência entre os dois se dá por muitos motivos, mas principalmente pelo amor insatisfeito.


Por incrível que pareça, Eu Matei Minha Mãe é feito pelo ator que faz Hubert, Xavier Dolan, que tinha apenas 21 anos quando atuou, dirigiu e editou parte do filme, sendo que escreveu o roteiro com apenas 16 anos. História estável, boa atuação (praticamente a adolescência em carne e osso) e ótima fotografia fazem o trabalho de Xavier mais do que excelente para um jovem de apenas 20 anos. Porém, a falta de ritmo no filme impede que o filme se torne o "hino da adolescência". Afinal, Hubert quer o que qualquer jovem quer: a possibilidade de fazer suas próprias escolhas. Eu mesmo queria sair de SP e fazer uma faculdade no Rio, mas meus pais não deixaram. Vivi uma relação entre o superficial e o amor, paixão e ódio, assim como Hubert e sua mãe. Isso mostra que o filme apresenta uma relação entre mãe e filho mais do que verdadeira. Não se identificar com uma das personagens em algum momento do filme é praticamente impossível, e aquele que disser "não" será hipócrita. Mas a falta de ritmo acaba colocando o filme na minha lista de "típicos filmes franceses".


Isso que "típico filme francês" é meio complicado porque é uma opinião minha, mas fácil de explicar. Eu gostei da primeira metade de Amélie, porque a princípio o primeiro momento parecia ser a história principal, porém no meio do filme vemos uma nova aventura. Eu Matei Minha Mãe, como eu disse antes, infelizmente não tem ritmo. Isso que eu chamo de "típico filme francês". Não entendo: os franceses fazem belíssimos filmes, mas não sei porque erram em alguma coisa. Até hoje apenas Canções de Amor não entrou na lista. Adoro rever o filme, pois mesmo faltando alguma coisa, não falha nas outras. Mas Eu Matei Minha Mãe tem uma coisa que os outros filmes não tem: já estou com vontade de rever.


Bem, assim como Os Sonhadores, Eu Matei Minha Mãe é um filme que deixo para vocês decidirem se querem assistir ou não. Sei que ultimamente essas duas postagens não ajudaram nenhum pouco na ajuda de ver um filme ou não, mas filmes complicados acabam sendo isso mesmo: complicados. Além do próprio título que não passa de uma grande metáfora: matamos nossas mães a todo momento em que crescemos.

6 comentários:

Película Criativa disse...

É mais uma produção canadense que fez sucesso em 2010, junto de Incendies. Preciso ver esses filmes urgente.

Diego Lanza disse...

Eu não vi esse ainda, só assisti ao outro dele, "Amores imaginários" do qual gostei muito. Já assistiu? Se não, vale uma conferida.

Mirella Santos disse...

Nossa, é muito inacreditável que ele tenah atuado, dirigido e ainda foi roteirista do filme. Agora fiquei super interessada no filme, parece ser bom pelo enredo. Abraços

Luciano Carneiro disse...

Realmente, Xavier Dolan sofre muita influência da nouvelle vague francesa, e isso fica ainda mais evidente em seu filme posterior, o charmoso mas vazio Amores Imaginários (que está muito aquém de Eu Matei Minha Mãe, um dos melhores de 2010). Além do cinema francês, ele também se inspira muito no cinema asiático. Aquelas câmeras lentas são puro Wong Kar Wai.
Abraço!

FM disse...

Parece muito interessante.

Vou procurar ver. Gostei do tema.

Felipe Guimarães disse...

Peícula Criativa, ainda não vi "Incendies", mas preciso e muito!

Diego, já me falaram sobre esse e quero ver muito!

Mirella, sim! É impressionante!

Luciano, ainda preciso aprender bastante do cinema europeu pq ainda não sei o que é nouvelle vague. Cinema asiático nunca me interessou!

FM, veja e depois me diga o que achou!