20 de janeiro de 2011

O CORCUNDA DE NOTRE DAME- Meu melhor clássico Disney

Eu sou seu Disney favorito?


Com certeza 99,8% das pessoas que estão lendo essa postagem possuem como seu clássico Disney favorito o belíssimo (ignore o trocadilho) A Bela e a Fera, Rei Leão ou Alladin. Com certeza A Bela e a Fera é um dos meus favoritos também, na verdade deve estar no meu TOP 3 dos meus clássicos Disney perfeitos. Mas pra mim, não existe clássico mais divertido e profundo do que O Corcunda de Notre Dame, que embora seja feito pra crianças é um dos Disney's mais adultos, sem falar que em sua versão brasileira, o filme realmente se torna uma obra-prima. E pra quem está estranhando, sim, existia uma postagem bem curta e mal escrita do filme que fiz quando criei o blog. Nada melhor do que reescrever um bom texto. Mas continuando...


Tirado das mãos da mãe ainda criança, Quasímodo é criado pelo juiz Frollo, causador da morte de sua mãe e de seu isolamento na Catedral de Notre Dame, sendo assim, o pobre corcunda nunca saiu da catedral. No dia do Festival dos Tolos, Quasímodo decide ignorar seu mestre e ir ao tal festival, conhecendo assim a cigana Esmeralda.


Com essa sinopse fica até brochante de assistir o filme, mas a verdade é que Corcunda possui as melhores músicas de um clássico Disney, sendo isso facilmente questionável, já que a versão original, composta por Stephen Schwartz, criador do incrível e único Wicked, não possui tanta energia quanto a versão brasileira, muito bem traduzida pelo Renato Rosenberg. Mas além das músicas, muitas coisas podem ser questionáveis em Corcunda. Afinal, o padre presenciou o assassinato da mãe do Quasímodo sem falar nada, além da tentativa de Frollo de matar o próprio Corcunda. Embora pareça que o filme defenda a Igreja, são esses pequenos detalhes que delatam a organização, pelo menos ao meu ver.


Além disso, as melhores fotografias de um filme Disney com certeza estão em Corcunda, e logo em seguida vem A Bela e a Fera. Afinal, a cena do baile é mais do que memorável. É um marco. Mas voltado ao Corcunda: existem tantas cenas que eu poderia falar das fotografias, mas selecionei as as mais marcantes, como a sequência em que o Quasímodo resgata a Esmeralda e praticamente o número inteiro de Lá Fora, sem falar no número Beata Maria, simplesmente formidável!


E claro, sempre tem que ter aquela lição de moral. Assim como A Bela e a Fera, Corcunda fala da beleza interior. Mas acredito que Corcunda é bem mais "pesado" na moral de beleza interior do que A Bela e a Fera. Talvez seja por isso que eu goste mais dele. Embora seja praticamente um conto Disney (baseado num livro, sei disso), o filme está muito próximo do real, sem falar no modo como tratam o Quasímodo que é ao mesmo tempo humano e desumano. A cena da tortura é simplesmente abominável, desumana. Mas a ação dos camponeses é tão fria e humana que é quase real. Eis a importância de Esmeralda no filme (em minha opinião ela é a personagem feminina Disney mais forte). Ela vê o Quasímodo como ele realmente é por dentro, pois assim como ele, o povo da personagem é mal tratado por ser diferente.


Bem, sei que muitas pessoas irão me questionar como sempre e todo o blá blá blá que vem no pacote da postagem, mas pra mim, O Corcunda de Notre Dame, em sua versão brasileira, é o melhor clássico Disney, sem mais nem menos. Agora, nem vem me falar daquela continuação porca que lançaram em DVD. Na verdade, a Disney tem um Q (detalhe pro negrito) de estragar nossas infâncias lançando continuações horríveis. As únicas que se salvaram foi do O Rei Leão. Mas isso é outra história para outra postagem. Essa é do meu melhor clássico Disney.

6 comentários:

Diego Lanza disse...

Eu adoro o Corcunda de Notre-dame, e a Esmeralda sempre foi minha personagem feminina preferida da disney; Mas certamente o meu preferido é Rei leão, seguido de perto do ultimo dos filmes disney excelente, "mulan". Mulan é demais, é lindo e muito bem feito. A Bela e a Fera empata com mulan no segundo lugar, talvez. E Aladdin tb maravilhosos.

S disse...

Concordo com muito do que foi dito! É um filme incrível e com certeza um dos meus disney favoritos!

Detalhe pra trilha incrível do Alan Menken e do Stephen Schwartz visto que até as músicas de coro em latim são deles. "Lá fora" e "Fogo do inferno" são definitivamente obras primas, tanto musicalmente quanto cenicamente.

Curiosidad: vc já viu a Bela que faz uma participação especial durante "Lá fora"? se não me engano é quando o Quasi canta "Lá fora vejo tecelões, moleiros e casais". Aparece a Bela andando lendo seu livro pelas ruas de Paris no canto direito da tela hehe

Kahlil Affonso disse...

por muito tempo eu detestei este filme, até que decidi dar uma segunda chance e acabei adorando ele!

http://filme-do-dia.blogspot.com/

Felipe Guimarães disse...

Diego, acho que eu gostava tanto de "Corcunda" tb pq eu só assistia quando ia pra casa do meu primo. Mulan é um dos últimos bons clássicos que foi lançado...

S, "Lá fora" e "Fogo do inferno" são perfeitas, né? Ah! Já me falaram sobre essa participação da Bella, mas nunca prestei atenção! Vou rever só para ver!
Curiosidade: sabia que estão pensando em fazer a peça??

Kahlil, também fiz isso com "O Iluminado": não gostei nenhum pouco da primeira vez, mas na segunda (que vi sozinho), adorei!

S disse...

1°, só me identificando eu sou o @seh_m hehe num sei c vc associou hehe...

Anyway... Quem tá pensando em montar a peça? Existe já um musical estilo broadway só que alemão, muito bom inclusive! As músicas são as da Disney mas a estética da peça é meio Les mis, sabe? Vale a pena conferir, tem coisas no youtube: http://www.youtube.com/watch?v=-gsqDEdUaxA&feature=related

Fred Spósito disse...

Olá!

Concordo e fico muito feliz com o seu texto sobre essa grande obra da animação que é "O Corcunda de Notre Dame" da Disney.

Quando vi o filme já era grande, 17 anos, e sempre o apreciei da maneira que ele merecia. Hoje com 32, ainda acho o melhor filme da Disney. Perfeito.

Acredito que esse clássico será redescoberto aos poucos. Apreciado e admirado como ele merece.

Em meio a enxurradas de animações 3D, sem profundidade e feitas somente para fazer o público rir, obras com o Corcunda de Notre Dame ainda existem e tem o benefício do tempo ao seu favor.