16 de julho de 2011

HARRY POTTER E AS RELÍQUIAS DA MORTE: PARTE 2 / TEXTO 2 - A adaptação de Yates

Prometo que terei paciência com você...


Fazer uma adaptação é uma das tarefas mais difíceis para um cineasta. Tudo pode dar certo, mas também tudo pode dar errado. Não é necessário seguir o livro como se fosse uma obra sagrada, mas o diretor tem que entender: se for realizar uma adaptação de uma parte importante do livro, tem que pensar muito bem antes de tomar sua decisão final, ainda mais se essa adaptação for apenas uma mudança de como a pessoa morre, vence, beija, se machuca, luta, etc. E Yates foi um covarde: suas adaptações foram péssimas, tudo isso para não fazer deste filme o mais sombrio. E se você não quer saber nada do filme, recomendo que pule o próximo parágrafo e leia-o somente depois de assistir ao filme.


As mortes dos vilões, por exemplo, são as cenas mais esperadas pelos fãs e as que mais decepcionaram. Yates conseguiu estragar quase todas. A batalha de Bellatriz e Molly, minha cena mais esperada, não dura nem 15 segundos e o desfecho da vilã é banal, tosco e sem motivo para ter sido modificada. A morte do vilão é outra que foi adaptada da pior maneira. Yates é fraco para mostrar os corpos dos personagens que amávamos. Ele não tem estômago para mostrar uma pessoa morta e nem mesmo as mortes dos personagens "do bem" que duraram anos no cinema tiveram foco.


O diretor também não consegue desenvolver as cenas mais dramáticas do filme. A cena de Snape e das lutas são curtas demais, como se ele estivesse fugindo de seu papel para mostrar cenas mais densas e deprimentes. O filme tem apenas duas horas de duração. Não há desculpa de que não podia encaixar mais cenas porque a duração do filme já estava no limite. Se o próprio diretor disse que queria focar mais na ação do livro nessa segunda parte, sua missão foi quase um fiasco. As cenas são bem feitas, não há dúvida, mas ficou aquele desejo de "quero mais" e dava para ter mais. Afinal, é o último filme. Faltou desenvolver.


Porém, uma adaptação do diretor foi sensata: ao invés do Harry explicar porque a varinha não pertencia ao Voldemort durante a batalha, como ocorre no livro, Yates decidiu terminar a batalha para explicar. Bem mais prático deixar a ação na hora da ação e a explicação para a hora da explicação. Foi o único acerto das adaptações.


Mas é como eu disse antes: Yates decidiu colocar humor e cenas clichês num filme que não tinha que ter nada disso. O último livro do Harry Potter é quase uma Segunda Guerra Mundial (se não ficou óbvio, ficou agora) e conseguimos perceber isso no livro da autora. É morte, sofrimento e mais forte. É um genocídio completo. Mas o diretor não queria ser responsável por acabar com tudo isso. Então, para resolver seu problema, ele cria adaptações para deixar as mortes menos impactantes, sem dar foco em muitas delas ou ao menos em informações que aparecem nesse último filme, mas que não são resgatadas, como o filho de Tonks e Lupin. Novamente e pela última vez: Yates fez péssimas decisões para esse último filme. Decisões que apenas um covarde ou um tolo poderia dar aos fãs mais velhos de Harry Potter -- ao invés de fazer uma despedida digna aos personagens favoritos -- para trazer o público infantil para o filme e não aumentar a faixa etária. Não foi o diretor que fez esse último filme, mas sim seus atores dedicados e empenhados para fechar esse filme com chave-de-ouro.

8 comentários:

Pedro Godoy disse...

Agora fiquei preocupado... sei que Felipe Guimarães é um guru do Cinema, Teatro & Literatura... já não estava com tanta vontade assim de ver este novo filme... após ler seu texto fiquei com menos ainda. :(

Rafael W. disse...

Achei o filme maravilhoso, fechou a série como deveria, nada me decepcionou ali, nada mesmo.

http://cinelupinha.blogspot.com/

Ronaldo disse...

Tenho que concordar. Tava adorando o filme até começar a morte dos personagens, pois a única que gostei foi a do Harry. Achei que faltou passar a emoção desejada.
Outra coisa do filme que achei que ficou a desejar foi o envolvimento de personagens que voltaram nesse filme apenas para aparecer na tela, enquanto eles poderiam ter sido usados para explorar melhor a batalha.
Após tantos comentários positivos de fãs e criticos, fui assistir com a maior expectativa possível e acabei me decepcionando um pouco.
Não que o filme seja ruim, ele é muito bom (e ainda pretendo voltar pra ver em 3D), mas dizer que é perfeito é um exagero. Acho que ele é o 3º da série que mais gostei.
Mas acima de tudo, fico feliz pelo destaque que este filme está tendo, principalmente nas bilheterias, pois assim a saga fecha com um marco na história do cinema

Kahlil Affonso disse...

David Yates foi a melhor coisa que aconteceu na série. Começando pelo 5º filme onde ele conseguiu 'arrumar' toda chatice que é o 5º livro. E no 6º filme ele conseguiu traçar um desenvolvimento de personagens como nunca tínhamos visto na série. O fato de as mortes passarem (na sua opinião) muito rápidas se dão pelo fato de que este último livro é onde mais temos mortes. Se o filme parasse pra focar em cada morte, teríamos outro 'O Retorno do Rei'. O foco deste último não era em mostrar cada vilão morrendo, mas sim em ver Harry se encontrando e entendendo tudo aquilo que ele tinha vivido, culminando na aceitação da própria morte. A morte de Voldemor foi INCRÍVEL! De forma bastante poética, o diretor preferiu o close no rosto do Voldemort e um silencio enquanto seu rosto vai se deteriorando. Decisão extremamente eficaz. As cenas de ação são fantásticas e só foram movidas para este último filme como uma decisão de marketing por parte da Warner Bros. Acredito que depois do 5º filme, ficou claro que a ação/aventura não era mais o tema principal. Os filmes começaram a focar muito mais nos personagens e no desenvolvimento dos mesmos. Para compreendermos o drama pelo qual estão passando os personagens principais, era necessário que passassemos a entender seu psicológico. E acredito que os filmes 5, 6 e 7 cumprem essa tarefa. Óbviamente não seria diferente no último filme. Apesar de ter muitas cenas de ação, o filme certamente opta pela decisão de novamente focar no desenvolvimento pessoal de cada personagem. Acho que no momento de analisar um filme baseado em um livro, deve se deixar de lado que este se trata de uma adaptação. Não fique pensando 'mas no livro é assim... no livro acontece assado'. Como filme, 'As Relíquias da Morte - Parte 2' funciona perfeitamente. É focado nos personagens, não se interessa em mostrar o sofrimento de todos diante das diversas mortes que acontecem e provavelmente possui mais fantasia e magia do que em qualquer outro filme da série. Um desfecho que faz jus ao que J.K. criou e ao que os fãs esperavam.

http://filme-do-dia.blogspot.com/

FM disse...

Concordo sobre as mortes...

A morte do Gêmeo não teve nada de emocionante pq foi rápida demais... Até entendo o Voldermort virar papel picado (entendo, mas não gostei), mas pq Bellatrix tb evaporou??

Parece q eles não morreram totalmente, parece q existe uma chance deles voltarem... muito estranho !!

E a cena q mais esperava tb me decepcionou... As Estátuas de Hogwarts !! Queria ver um batalhão de vários tipos de estátuas e armaduras ganhando vida e não só meia-dúzia.

Adorei esse filme, acredito q foi mesmo o melhor. Finalzinho perfeito, mas podia ter sido melhor ainda.

Diego Lanza disse...

SPOILER PARA QUEM AINDA NÃO VIU! Não me decepcionou, nem um pouco. Achei interessante a sua leitura, e faz sentido em certo espectro. Mas não é a única leitura possível. Sou um fã antigo e não me senti lesado - pelo contrário, gostei do final do voldemort. Já a morte da belatriz seria boa se houvesse um esguichos de sangue na hora q ela se despdeaça... mas isso não ia acontecer. Eu achei que a essência do livro esteve ali, independente de todas as modificações. Não achei o diretor frouxo. E achei sua crítica radical de mais... rs

Mirella Santos disse...

Felipe, eu amei sua crítica nova. Falou tudo que eu tava pensando sobre o filme também. Eu me decepcionei muito também com as mortes que tiveram uma intensidade de drama bem maior no livro. Eu sinceramente acho que ele só fez isso para as crianças irem ver nos cinemas, o que Yates não entende é que os fãs de verdade cresceram com Harry e não tem pq não mostrar e dar um final digno a todos os personagens sejam eles bons ou ruins. Confesso que fiquei bem abatida quando li a morte do Fred, mas no filme não :)
No entanto, essa é uma das poucas reclamações que tenho em relação ao filme e inclusive a morte de Snape que não foi tão emocionante quanto a do livro. Os pontos bons foi que eu adorei a batalha final e mais um monte de cena que não vou comentar se não o comentário fica enorme de novo. Abraços Felipe!!

erasmo disse...

Achei a morte de Belatriz e Voldemort toscas. nao gostei desse David Yates, ele consegui estragar a historia, diferente dos atores, que brilham.