28 de agosto de 2012

"PRA VER, LER E OUVIR" AGORA TEM PÁGINA NO FACEBOOK!

Além da conta do Twitter, o blog agora está presente no Facebook (\o/) no seguinte link: https://www.facebook.com/PraVerLerEOuvir. Curtir a página é bem legal principalmente para quem gosta do blog (dã) e que não vê muitas postagens por aqui. A ideia é de divulgar notícias rápidas, imagens diversas, novas postagens e novidades de todos os tipos. É só curtir a página que vocês terão acesso à tudo. Obrigado pessoal e até a próxima (que eu tenho quase certeza que será na postagem do filme Rock Of Ages)!

27 de agosto de 2012

A FAMÍLIA ADDAMS - ELENCO E VERSÃO BRASILEIRA GARANTEM SUCESSO DO ESPETÁCULO


Só dessa vez eles te levam pro bom caminho



Fazia muito tempo que eu não ia ao teatro, principalmente para assistir a um musical. Cursinho, estudos, faculdade, exército, tudo aquilo que vocês já estão cansados de saber sobre mim. Mas se não estou enganado, o último espetáculo que assisti (e que foi de excelente qualidade) foi Cabaret no ano passado e que reestreia agora no Procópio Ferreira. E esse ano comecei com A família Addams que está em cartaz no Teatro Abril e feito pela T4F. E olha: vale a pena.

A história sobre uma das famílias mais conhecidas ao redor do mundo está com uma novidade: Wandinha está noiva de um menino "normal" e teme contar a verdade para sua mãe, o que faz com que ela solicite a ajuda de seu pai. Então, as famílias dos noivos decidem se reunir num jantar casual para poderem se conhecer melhor (e Mortícia nem faz ideia de que Wandinha está noiva). E lógico que tudo vira de cabeça para baixo.

Com certeza a versão brasileira criada por Claudio Botelho e o grande elenco é o que fazem a peça. A história é leve mesmo, sem nenhuma complicação ou diferencial. Porém, as referências aos costumes e à cultura brasileira e o humor negro que Botelho deu ao texto conseguiram fazer com que o musical não apenas tivesse um jeito brasileiro, como também conseguiu ser superior ao texto original da Broadway. Lógico, falhas estão mais do que presentes no enredo. Como uma história que se propõe a falar sobre o noivado de Wandinha pode se focar muito mais em Gomez? No compreendo.

E o elenco do musical é de excelente qualidade. Daniel Boaventura tira risos da plateia com extrema facilidade (como tem feito durante toda a sua carreira com seu timing perfeito). Laura Lobo, Iná de Carvalho e Rogério Guedes são os grandes nomes que se destacam dentro do cast (mesmo com pouca participação nas falas, Guedes é um dos que mais dá humor para a peça pelos jeitos e ações de seu personagem). Porém, quem realmente surpreende em cena é o ator Claudio Galvan! Ele é um show man dentro do próprio musical e de primeira qualidade! Eu não conhecia o trabalho do ator e fiquei com receio quando ele foi anunciado como Tio Fester. Mas levei um tapa na cara durante o musical e Galvan é uma das grandes estrelas do espetáculo.


Mesmo com um cenário precário, que dá sensação de que não existe espaço no palco nem para os próprios atores, uma história mais do que superficial e o péssimo serviço da T4F em explicar o porquê da substituta / alternante da Marisa Orth, Sara Sarres, ter saído do musical (e a empresa não dar nenhuma nota ou satisfação para quem paga quase mil reais em ingressos, paga uma alta taxa de conveniência por um serviço meia boca no qual você não escolhe os assentos que quer comprar porque o "site já escolhe os melhores lugares para você" [uma ova]),  A família Addams possui uma comédia excelente, um grande elenco e uma versão brasileira que dá orgulho. É um musical superior ao da Broadway e que até quem não gosta do gênero possui grandes chances de gostar.


18 de agosto de 2012

THE NEWSROOM - MAIS UMA SÉRIE DE QUALIDADE HBO


Será que a HBO já fez algum fracasso? Pela minha memória a resposta é não. Desde Sex and the City, a qualidade das séries da emissora apenas melhoraram. Hoje, True Blood (mesmo decaída), Mad Men e Game of Thrones são exemplos de séries de excelente qualidade e que receberam avaliações positivas tanto da crítica quanto do público. E agora mais uma série da HBO chega à televisão brasileira: The Newsroom.

Will McAvoy é um dos principais âncoras da televisão dos EUA. Liderando o News Night, McAvoy conseguiu se tornar famoso e rico e fazer um noticiário de grande audiência. Porém, com seu produtor sendo transferido para um novo jornal da mesma emissora, McAvoy terá que lidar com sua nova equipe, principalmente com sua nova produtora que é também uma antiga paixão.

Do mesmo criador de The West Wing e roteirista de A Rede Social, Aaron Sorkin realiza seu trabalho da mesma forma que confeccionou seus trabalhos anteriores. Assim, monólogos e diálogos rápidos entre os personagens estão mais do que presentes. Aliás, roteiro inteligente é o que não falta. Uma crítica interessante que eu li da Variety escrita pelo Brian Lowry explica exatamente o que é a série: Sorkin tenta salvar a América dela mesma e, embora ele não consiga, é "fascinante e irritante vê-lo tentar".

E antes de tudo, The Newsroom é uma série que questiona toda a cultura norte-americana (só a cultura dos Yankees?), desde a realização dos jornais e revistas baseados em fofocas e noticiários sensacionalistas até o conservadorismo moral republicano e a falsa mudança liberal do Partido Democrático. Além de tudo isso, a série tira seus espectadores da zona de conforto já nos primeiros dez minutos de um excelente texto de Sorkin e interpretação do ator Jeff Daniels no qual ele diz claramente que "os EUA não é o melhor país do mundo", criticando a terra do tio Sam por se achar o umbigo do mundo. Só de Sorkin falar isso para os norte-americanos já dá para saber o que a série propõe.

E uma das melhores coisas que a série questiona é a imparcialidade ou pseudo-imparcialidade das emissoras, das revistas e dos jornalistas (se é que existe imparcialidade total). É fácil para alguém dizer que Veja é uma revista de direita, Carta Capital de esquerda e a Globo e a Band serem corinthianas, mas elas nunca diriam isso, óbvio. Precisam do maior número de audiência possível, e para isso a imparcialidade é um prato cheio. E é aí que The Newsroom entra. A série atira para todos os lados e crítica os âncoras (incluindo McAvoy no início) por não tomarem partido dos fatos que ocorrem no país e sem dizer algo para a população (algo visto claramente no programa do âncora William Boner).

Portanto, mesmo que tenha recebido críticas negativas (algo raro para a emissora), The Newsroom é mais uma série de qualidade HBO: excelente roteiro, direção e elenco. E não ache que por ser uma série sobre política o ritmo seja lento e o assunto desinteressante, pois ocorre exatamente o contrário. Já no segundo episódio é possível ficar viciado no programa e querer mais e mais, e isso é algo que somente a HBO consegue fazer já nos primeiros episódios numa grande escala de séries. Vale a pena conferir.