8 de novembro de 2014

LAST OF US: Jogo é único e representa grandes gerações de consoles



Lançado em 2013 para PS3, Last Of Us fez um estrondoso sucesso de crítica e público. Com tanto sucesso, o jogo lançado pela Naughty Dog já tem uma sequência confirmada, um filme para o cinema sendo planejado e uma versão remasterizada lançada para o Playstation 4, que foi a que eu joguei. Não apenas por ter gráficos de boa qualidade, Last Of Us tem características únicas que o faz um dos melhores jogos dos últimos tempos.

A história inicia com o surgimento de um vírus que começa a se espalhar em cadeia mundial, transformando as pessoas em zumbi. Joel perde sua filha no início da infestação e precisa continuar sua vida. Ao lado de Tess, ele fica encarregado de levar a jovem Ellie para um grupo de militantes, sem saber ao certo qual a importância da jovem para o grupo. Ao decorrer da trama, Ellie se transforma em uma personagem fundamental não apenas por sua importância na história, mas também pelo fato dela mudar a vida de Joel por completo.

O que faz Last Of Us único é a sua história e de como ela é retratada no jogo sem qualquer intenção de suavizar o tema. A história é extremamente violenta, ouso dizer que é mais pesada que The Walking DeadWalking tem seus momentos de tensão, mas são mais raros dos que os de Last of Us. O jogo já começa em um clima de tensão, com pessoas infectadas atacando inocentes para todos os lados e pessoas correndo para evitar a mordida dos zumbis. É ação na maior parte do tempo, e ação de qualidade, nada banal ou vendido. Cada cena tem sua importância para a trama. Para aproveitar os momentos mais calmos do jogo, os criadores  aprofundam os sentimentos dos personagens e o relacionamento entre eles de forma brilhante. Além desse fato, de criar personagens complexos em um ambiente hostil, o jogo em si é um dos mais realistas que existem.

Quantos jogos você já jogou que, embora sejam violentos, acabam sendo suavizados e aprofundam menos a violência? Inúmeros. Até mesmo os jogos da franquia Resident Evil, que tem o mesmo tema de Last, são um pouco assim. Acredito que Last Of Us foi o primeiro jogo dos últimos anos que teve a coragem de dizer: "sou um jogo violento, com uma história e assuntos complexos e voltado para jovens e adultos que procuram a realidade". É o primeiro jogo há tempos que vejo ter essa coragem e prova disso são os momentos em que o protagonista morre, em que cada cena é mais pesada do que a outra. Mesmo que seja mais violento, parece que é também mais "humano", mais "real", por assim dizer, como se aquilo fosse o que aconteceria se tudo um dia acabasse sendo verdade. Jogos que teoricamente teriam que ter a mesma "pegada" nem chegam perto do que Last Of Us é capaz de fazer nos momentos de violência.

Além disso, a trilha sonora e a própria jogabilidade contribuem muito para que o jogo tenha um clima de tensão absurdo. O caso dos estaladores creio que seja o mais fácil de exemplificar o que estou querendo dizer. É um zumbi que não enxerga, apenas escuta. Ou seja, você pode passar na frente dele e ele não te ver, mas se você fizer algum barulho, ele irá correndo atrás de você e não adianta lutar corpo a corpo, caso contrário você morrerá. Aliás, a maior "graça" de jogar Last Of Us é jogar no nível mais difícil. Nesse modo você vai passar por uma experiência mais "realista" de como seria viver a história apocalíptica .

Sendo assim, Last Of Us é um jogo obrigatório, tanto para quem tem o console que encerra uma geração (PS3), quanto para as pessoas que não apenas jogaram o primeiro como também jogarão os próximos da franquia (PS4). Com bons gráficos, trilha sonora sensacional  e história únicas, Last Of Us é o jogo em que você acredita em tudo que ele quer transmitir para a tela da televisão: um jogo violento de zumbi em que nada é suavizado. O que importa é sobreviver.

Nenhum comentário: