17 de novembro de 2014

O QUE UM TIME FAZ



Muita coisa mudou desde que eu comecei a faculdade, inclusive dentro dela. Agora, por exemplo, minhas aulas são no período noturno e, muito em breve, estarei estagiando (se tudo der certo, claro). Mas, o que mais mudou (e para melhor) foi que, após uma longa espera (também explicada como "autorização familiar para pegar o carro e poder treinar"), finalmente faço parte do time de handebol da ESPM. E olha, fazia tempo que eu tinha esquecido  de como era bom fazer parte de um time.

Na escola já era legal fazer parte de um time. No meu caso, pelo menos, a maior parte dos integrantes de handebol era meus amigos de sala e isso era extremamente saudável e bom, porque eles eram mais do que meus amigos que eu via todos os dias e nós eramos um time. Sempre achei um besteirol as grandes empresas forçarem as pessoas a trabalharem em equipe e, em alguns casos, é melhor trabalhar sozinho mesmo, pois nada é pior que você carregar alguém nas costas. Mas pensei e realmente: trabalhar em equipe, mesmo que seja uma dupla, um trio, quantas pessoas forem: nada melhor do que ter uma pessoas em quem você possa confiar, conversar e se apoiar. Não é algo fácil, mas é necessário para você não se fechar e achar que tudo depende de você, porque em alguns momentos da vida, não vai.

E comecei a viver isso de novo. Se não fosse o handebol eu não sei do que seria do meu semestre na faculdade, que é estressante como qualquer outro, só que piorou de uma forma até que grotesca recentemente. Estou dizendo tudo isso para você leitor que está sem saber o que fazer da vida ou que está passando por problemas, seja na faculdade, com a namorada, com o namorado, com a família, qualquer que seja o seu problema. Estou falando isso para te dizer que praticar alguns esporte coletivo provavelmente pode te trazer algum bem.

Em primeiro lugar: todo mundo que está ali tem uma coisa em comum que é o amor pelo esporte praticado. Segundo: se todo mundo está ali está por alguma razão (assim como você), então dificilmente você carregará alguém nas costas como no seu dia-a-dia (está mais para impossível, mas sei que acontece em alguns casos e em alguns esportes). Terceiro: é uma oportunidade de você conhecer, conversar e sair com mais gente, gente nova e diferente. Quarto: o jogo não é individual, então é pra falar, é pra gritar, é pra jogar em equipe, pois sozinho você não vai para nenhum lugar. Quinto: após tudo isso, você percebe que as coisas começam a voltar a fazer sentido.

E juro, tudo isso me fez ter vontade de ir para a faculdade. Faz sentido todo dia, depois da aula, ir treinar das 23h até 1h. Faz sentido estar com pessoas que não apenas gostam do mesmo esporte que eu, mas que também entendem a importância de um time forte, não apenas para ganhar os jogos, mas como uma forma de cultura para ser disseminada nas próximas gerações. Faz sentido fazer novas amizades e desenvolver outras antigas que você pode levar para a vida. É outra pegada sabe? Não sei explicar ao certo, quem sabe no futuro. Mas o que posso te dizer é: nunca me senti tão bem e tudo faz sentido.

Nenhum comentário: