4 de dezembro de 2014

INTERESTELAR: Um dos trabalhos mais cuidadosos de Christopher Nolan


Fazia muito tempo em que eu não assistia a um filme de ficção-científica tão bom. Dito isso, preciso me defender. Nos últimos anos tivemos ótimos filmes de ficção-científica, como Além da Escuridão: Star Trek e Gravidade (na verdade os único que vêm à minha mente). Mas, o que faz de Interestelar, novo filme do diretor Christopher Nolan, ser tão bom? Não sei explicar, mas tem algo que consigo afirmar: é um filme que me levou de volta para um clima de ficção-científica que era explorado pelo cinema nos anos 1980 e 1990, trazendo a mesma sensação que tive ao assistir o excelente Contato (ótimo filme de Robert Zemeckis, estrelado pela excepcional Jodie Foster, em um de seus melhores trabalhos, e com a presença de ninguém menos do que Matthew McConaughey, protagonista de Interestelar).

Mas vamos falar de Interestelar (e já aviso que vou dizer pouca coisa sobre o que acontece para não perder a graça do filme). A história se passa após o século XXI, numa época em que é difícil de se dizer exatamente o que aconteceu com a humanidade. A única coisa da qual podemos ter certeza é de que uma praga está devastando as plantações da Terra e, como uma possível solução, exploradores estão procurando novas galáxias para achar um novo planeta para os humanos, viajando por meio de buraco de minhocas.


Uma das coisas que mais falavam sobre o filme de Nolan era de que é o "novo" 2001: Uma Odisseia no Espaço (clássico de Stanley Kubrick). Concordo e discordo. Sim, há muitas referências kubrickianas na obra de Nolan e algumas semelhanças na produção visual, mas o modo que cada um aborda cada tema, tanto em seu conteúdo como o modo que escolheram para representar o que queriam para as telas dos cinemas, são diferentes. Kubrick utiliza muito mais as imagens, usa poucos diálogos e explica (quase) nada para o público. Nolan é exatamente o contrário, mesmo que tenha usado o "silêncio" em diversos momentos. Mas há uma semelhança crucial em ambos os filmes: ambos falam de uma "odisseia no espaço", em que há uma jornada e uma trilha a ser seguida por nossos heróis (ou no caso de 2001, da própria humanidade).


No caso de Interestelar, toda a jornada está na vida do personagem vivido por Matthew McConaughey: tirar o personagem da zona de conforto (um homem de família que precisa deixar seus filhos na Terra para poder salvar suas vidas), colocá-lo diante de um mundo novo a ser explorado, pensar e decidir sobre as coisas "certas" que precisam ser tomadas e o desejo de voltar para casa. Isso tudo num clima de "aventura" e ficção-científica é o que faz do filme tão bom. O personagem de McConaughey, como ele mesmo diz, é um "explorador", então carrega um sentimento de querer conhecer mais sobre o mundo lá fora. E quantos filmes hoje tem essa mesma energia que víamos em filmes como Indiana Jones, Star Wars e, agora, com Interestelar? Quase nenhum. Hoje é mais explosão para todos os lados.

Quanto às atuações, é inegável: McConaughey rouba a cena completamente do filme. Aliás, desde Clube de Compras Dallas e O Lobo de Wall Street, o ator só fez boas escolhas e atuou com extrema competência em todos os trabalhos citados. Acho que uma indicação ao Oscar não acontecerá, mas caso aconteça, concordaria plenamente. Já com Anne Hathaway não posso dizer a mesma coisa. Gosto muito da atriz, mas ela está sendo ela mesma há muito tempo, o que, para a idade dela, é cedo de mais. Michael Caine, por exemplo, também está no automático, mas é um deleite vê-lo em cena, e com Hathaway o mesmo não acontece. Mas, de forma geral, Interestelar tem as melhores atuações de um filme de Nolan.

Dito isso, aproveite para ir ao cinema e conferir o filme. Creio que será um daquelas filmes que te fará pensar sobre ficção-científica, sobre a "verdade lá fora" e ainda será um entretenimento de qualidade. Claro, lembre-se que é um filme de Christopher Nolan: tudo é explicado, desde a ponta do dedinho do pé até o fio de cabelo do couro cabeludo. Porém, ainda assim, creio que é um filme ímpar no gênero, trazendo uma sensação que não se via há muito tempo.

PS: Muitas coisas ficaram de fora do post. Se vocês quiserem, no futuro faço uma nova postagem falando mais sobre o filme.


Nenhum comentário: