15 de setembro de 2017

PRECISAMOS FALAR SOBRE DEPRESSÃO E HARRY POTTER

Mas calma, o assunto é enriquecedor

O título do texto pode parecer pesado e em partes é mesmo. Depressão é sim algo que te muda física e mentalmente. Hoje em dia eu percebo muito duas coisas vindo do senso comum que precisam ser combatidas: "todo mundo tem depressão" (sim, vivemos numa sociedade em que muitos desenvolvem a depressão, mas não são todos que tem. Não banalize) e também "depressão é só tratar" (como se a vida fosse resolvida com remédios ou num piscar de olhos). Cuidado para ambas. Acho que o indivíduo só pode ser considerado "em depressão" por dois fatores: primeiramente diagnosticado perante um profissional, mas o mais importante : demonstrar mudanças físicas e mentais que ficam evidentes que aquela pessoa não é mais a mesma. Além disso, o "é só tratar" de longe é fácil assim e remédios podem ajudar, mas as pessoas precisam aprender a não depender deles e sair dessa para melhor. É assim que falarei sobre a minha "quase" depressão e Harry Potter.

Não vou entrar em méritos de como cheguei nessa "quase" depressão, mas de forma bem resumida: estava passando por bastante pressão e tive problemas financeiros em casa. Em um determinado momento, as duas coisas se misturaram e viraram uma só, viraram um acontecimento bombástico que resultou numa bola de neve. Tive que sair da minha segunda graduação em Sistemas de Informação, parar de jogar handebol, parar de ser gestor na Atlética, enfim, coisas que me eram muito valiosas e minha rotina no dia-a-dia. O sentimento que veio de tudo isso foi entrar em um poço que não dá para cavar mais, pois você já está no limite da escuridão. Não há para onde ir, pois você está no fundo e não há por onde escalar. Não, as coisas não vão dar certo. Você chora com motivos e sem motivos. Você pensa em fazer coisas que inclusive podem te machucar e resultar ainda em machucar outras pessoas. Você vive em um vazio, como se fosse um casulo. Nada importa mais. A única coisa que eu podia fazer por dias era ficar no escuro do meu quarto, chorar ou ter um "esvaziamento mental": não há foco, não há pensamento, somente a escuridão.

Logo que teve o acontecimento, procurei amigos e um deles me proporcionou algo que nunca tinha feito na minha vida: terapia. A partir desse momento, a terapia surgiu como tratamento para o que eu estava passando - sem o uso de qualquer medicamento - e curar as mudanças mentais e físicas que estavam acontecendo comigo. Mas também ela surgiu para me ajudar em um momento muito difícil da vida (que com certeza você já fez essa pergunta): quem sou eu? Onde eu cheguei? Para onde eu vou? O que será daqui pra frente? Foi um momento real de autoconhecimento e ainda de fortalecimento para não passar por tudo aquilo de novo. Fico feliz ao dizer que deu tudo certo. Não, não voltamos a ser como éramos antes, mas, para ser sincero, eu não faço questão. Hoje sou muito mais uma mistura de tudo pelo que passou, conseguindo viver cada dia como um e o mais importante: vendo as coisas boas da vida e das pessoas.

"E o que tudo isso tem a ver com Harry Potter?". Muita coisa. Em um momento de minha terapia, em que eu não conseguia em momento algum manter um raciocínio lógico por muito tempo, minha psicóloga sugeriu para eu ler um livro que eu gostaria muito de ler ou que eu tenha gostado muito de ler e que leria de novo. Durante algum tempo eu já tinha desenvolvido o desejo de voltar a ler a saga Harry Potter para comparar livros e filmes após os filmes saírem de minha cabeça. Comecei pela ordem cronológica e o início foi bastante difícil, não foi fácil manter o foco. Mas então chegamos em O Prisioneiro de Azkaban e é impressionante como J.K.Rowling descreveu tão bem o sentimento de depressão e perda. Este livro nada mais é do que Harry tendo que lidar pela primeira vez de forma profunda a perda dos pais. Os dementadores, "seres que tiram a felicidade das pessoas por ondem passam e se alimentam dos sentimentos bons", trazem ao Harry os últimos momentos de seus pais antes de serem assassinados. No final do livro (não é spoiler, faz mais de 10 anos do lançamento do filme e quase 20 do livro), ao enfrentar os desafios, Harry encontra em si todas as respostas para suas angústias e medos para salvar Sirius dos dementadores.

Desse livro em diante, Harry passa por dificuldades ainda maiores pelas quais ele passou nos livros anteriores e creio que isso só foi possível graças ao que ele passou no terceiro livro. Em O Cálice de Fogo, ele enfrenta o homem que assassinou seus pais e presencia a primeira morte diante dos seus olhos (Cedrico Diggory). Em Ordem da Fênix, sofre com a perda de seu padrinho e ainda tem que lidar com a profecia, tendo como o destino que lhe foi lançado ainda criança um final em que ele ou Voldemort teriam que matar o outro. Em Enigma do Príncipe, perde o seu mentor e tem que aprender a lidar com seu destino sozinho e lidar com a vida adulta de agora em diante. Em Relíquias da Morte, ele enfrenta todos os desafios para acabar com o vilão e aceita a morte de braços abertos.

Harry Potter não apenas me ajudou a retomar meu raciocínio lógico, como também a própria história começou a refletir um pouco com a minha. Parte disso vem da própria autora, que também sofreu depressão. J.K.Rowling descreveu a depressão de uma das melhores formas que já vi para um universo infanto-juvenil (além de mostrar como enfrentá-lo). Enfrentar tudo isso depende apenas de nós e não estamos sozinhos para enfrentar nossos problemas. Harry tinha seus amigos, eu tenho os meus, você tem os seus. A terapia hoje é mais para falar sobre mim, as coisas ao meu redor, como me sinto em relação a tudo isso e me fortalecer (embaixo #ficaadica do local que frequento). Hoje estou muito mais preparado para enfrentar dificuldades que a vida nos dá e principalmente: reconheço as coisas boas das pessoas e as coisas simples da vida.

#obrigadoJK #obrigadoKora #façamterapia

INSTITUTO KORA
AVENIDA PROFESSOR LUCAS DE ASSUNÇÃO, 92. SÃO PAULO SP.
TELEFONE: (11) 3501-3440 


4 comentários:

Ricardo Martins disse...

Há alguns dias eu li esse post mas não consegui por em palavras o quanto o achei relacionavel e importante para mim. Hoje, resolvi reler e continuo igual haha, não tenho palavras, apenas sensações... E o melhor, me sinto inspirado!

E Harry Potter... que obra mágica, que poder, que importância. Tocando de maneira única cada um. Por acaso estou lendo a saga no momento (comemorando os 20 anos dela), e estou vivendo uma experiência riquíssima e inesquecível! E ganhando ao mesmo tempo uma força que eu estava necessitando :)

Parabéns e obrigado por compartilhar essa experiência, e espero que este conteúdo alcance mais e mais pessoas e que seja especial como para mim

Anônimo disse...

Eu não tenho um amigo pra me ajudar, não tenho ninguém e a pessoa que acreditava na verdade não dar a mínima. Eu até entendo, ninguém tem obrigação de me ajudar se não tem vínculos os sentimentos em relação a mim.

Felipe Gonçalves Guimarães disse...

Anônimo, não o que passa pela sua vida, contudo procure as pessoas que estão próximas à você e não precisa ser a pessoa que acredita na verdade, pode ser um profissional, por exemplo. Procure alguém que te trate como um ser humano. Não precisa ter vínculos para tratar alguém como merece ser tratado.

Mensagens Dos Anjos disse...

Obrigado por compartilhar!
Mensagens dos Anjos